Poesias e Mensagens Virtuais

Mensagens de neidezm

A estrela que Deus mandou a terra 1

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Religiosa
Mensagens e poemas
A estrela que Deus mandou a terra
Neide Z. M.

Havia milhões de estrelas no céu.
Estrelas de todas as cores:
brancas, prateadas, verdes, douradas, vermelhas e azuis.

Um dia, elas procuraram Deus e lhe disseram:
- Senhor Deus, gostaríamos de viver na Terra entre os homens.

- Assim será feito, respondeu o Senhor.
Conservarei todas vocês pequeninas
como são vistas e podem descer para a Terra.

Conta-se que, naquela noite, houve uma linda chuva de estrelas.
Algumas se aninharam nas torres das igrejas,
outras foram brincar de correr com os vaga-lumes nos campos;
outras misturaram-se aos brinquedos das crianças
e a Terra ficou maravilhosamente iluminada.

Porém, passando o tempo, as estrelas resolveram abandonar
os homens e voltar para o céu, deixando a Terra escura e triste.

- Por que voltaram? Perguntou Deus, a medida que elas chegavam ao céu.
- Senhor, não nos foi possível permanecer na Terra.
Lá existe muita miséria e violência, muita maldade, muita injustiça...
E o Senhor lhes disse: - Claro! O lugar de vocês é aqui no céu.
A Terra é o lugar do transitório, daquilo que passa,
daquele que cai, daquele que erra, daquele que morre,
nada e perfeito. O céu é lugar da perfeição, do imutável,
do eterno, onde nada perece.

Depois que chegaram todas as estrelas e conferindo o seu número,
Deus falou de novo: - Mas esta faltando uma estrela.
Perdeu-se no caminho?
Um anjo que estava perto retrucou:
- Não Senhor, uma estrela resolveu ficar entre os homens.

Ela descobriu que seu lugar é exatamente onde existe a imperfeição,
onde há limite, onde as coisas não vão bem, onde há luta e dor.

- Mas que estrela é essa? - Voltou Deus a perguntar.
- É a Esperança, Senhor. A estrela verde. A única estrela dessa cor.

E quando olharam para a Terra, a estrela não estava só.
A Terra estava novamente iluminada porque havia uma estrela verde
no coração de cada pessoa. Porque o único sentimento que o homem tem
e Deus não tem é a Esperança.

Deus já conhece o futuro, e a Esperança é própria da pessoa humana,
própria daquele que erra, daquele que não é perfeito,
daquele que não sabe como será o futuro."

Receba neste momento esta estrela em seu coração
- A ESPERANÇA - a sua estrela verde.
Não deixe que ela fuja e nem se apague.
Tenha certeza de que ela iluminará o seu caminho.
Seja sempre bem positivo e agradeça a Deus por tudo.
Tudo de bom e muita felicidade no seu caminho.
Gostou desta mensagem? Retribua com outra a quem te enviou ou Envie esta para alguém especial... 

Eternamente sua 2

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Música
 Eternamente sua
Z. M. G.

Desde nosso primeiro encontro,

só penso em você...

Espero que este seja o primeiro de muitos

Dia dos Namorados que passaremos juntos.

Você é maravilhosa(o)

Eu te Amo demais.
Um Milhão de Beijos...
Mensagens e poemas
 

Pinóquio

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Fábulas
Mensagens e poemas
Pinóquio
Zaneide Madeira Gonçalves

Era uma vez um carpinteiro chamado gepeto, sem filhos, construiu para si um boneco de madeira. Para sua surpresa; depois de pronto, o boneco movia-se e falava como um menino de verdade. Chamou-o então de pinóquio. Pegou papel colorido e fez-lhe uma roupinha. Com o miolo do pão fez uma touquinha e depois, com o pequeno par de sapatos, passou a considerá-lo como um filho. Gepeto decidiu mandar pinóquio á escola e, por isso, comprou-lhe uma cartilha; mas o boneco, quando ia pela estrada, ouvi uma musica do circo e a seguiu. Vendeu seu livro para poder comprar a entrada e correu para o circo. Enquanto isso dois malandros-A raposa e o gato-acompanhavam todos os seus movimentos. No circo pinóquio foi aprisionado pelo terrível Stromboli, o dono do teatro, que o confundiu com um de seus fantoches. Mas pinóquio tanto fez que conseguiu comover o homem que, afinal não era tão mal assim. Stromboli deu-lhe algumas moedas de ouro para levar a seu pai que, como havia dito, era muito pobre e tinha vendido até seu casaco para comprar a cartilha.

Ser mãe é... 3

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Família
Mensagens e poemas

Ser mãe é...
Zaneide Madeira Gonçalves

Quando todos te condenem
quando ninguém te escutar
ela escuta e perdoa,
pois ser Mãe é perdoar!
Quando todos te abandonarem
e ninguém te quiser te ver
ela te segue e procura
pois ser Mãe é compreender!

Quando todos te negarem um beijo,
um olhar, ela te ampara e acarinha pois ser Mãe é sempre se dar! 

Feliz Aniversário amiga!

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Aniversário
Mensagens e poemas
Feliz Aniversário amiga!
Zaneide Madeira Gonçalves

Nesta data inaudita,
Peço a Deus com emoção
Muitas bênçãos infinitas,
Pleno amor no coração...


Viva uma longa idade,
Remoçando a cada dia,
Muita paz, felicidade,
Com saúde e alegria...

Um Feliz Aniversário para Você...!!!!!!!!!!!!

O pássaro mágico

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Criança
Mensagens e poemas

O pássaro mágico
Zaneide Madeira Gonçalves

Era uma vez, num país muito longe, um homem jovem que se achava muito esperto. Ele passava os dias enganando as pessoas para tirar vantagem e ganhar dinheiro sem fazer esforço. Já havia enganado metade da cidade onde morava, quando resolveu partir para o interior onde as pessoas são mais crédulas, por isso ele pensou que se daria muito bem. Partiu no primeiro trem.

Chegou, à noitinha, a uma cidade pequena que se chamava Barbalândia, assim informava a placa presa num tronco seco.

- Que nome esquisito! - exclamou em pensamento – Talvez todos aqui tenham barba. Mas eu a chamarei de Bobolândia. - concluiu sorrindo.

Realmente, naquela cidade, todos os homens usavam barba longa. Foi procurar um lugar para dormir. Encontrou uma pousada bem no fim da única rua com calçamento onde ele passou a noite. No dia seguinte, já descansado, ele saiu para conhecer tudo, em especial os moradores alvo da sua desonestidade. Andava bem vestido, sorria para todos, passava a mão na cabeça das crianças esbanjando simpatia, mas mal sabiam as pessoas o tipo de malandrão que ele era.

Entrou numa vendinha. Chamou a atenção das pessoas pela sua aparência de homem educado, bem vestido e fino. De todos os golpes que ele aplicava, o seu preferido era o dos três copinhos. Ele punha três copos de bocas para baixo, e, em um deles, colocava uma bolinha. Girava os três com muita rapidez, e, mediante aposta em dinheiro, as pessoas tentavam acertar em qual dos copos estava a bolinha. O coitado, com muita certeza, dizia:

- Está no segundo!

Qual nada. Ele levantava o copo e nada tinha porque, ao girar os copos, ele tirava a bolinha e a escondia sem ninguém perceber. Passou dias e dias tirando dinheiro dos trabalhadores com esse engodo. As pessoas sensatas da cidade começaram a se irritar com aquele homem que viera, não sabiam de onde, para aplicar golpes naquela gente ordeira e trabalhadeira. A história chegou aos ouvidos do homem mais velho da cidade de Barbalândia que todos consideravam um sábio. Foi uma reunião muito agitada. Todos falavam ao mesmo tempo e sábio só ouvia. Em dado momento ele bateu na mesa para acalmar a turma.

- Bem, podem deixar comigo que eu vou expulsar esse sujeito daqui. Vai ser de forma pacífica. Ele mesmo sairá correndo sem dizer uma palavra e nunca mais se ouvirá falar dele por aqui.

- Como o senhor vai fazer? – perguntou uma mulher que tinha uma criança nos braços.

- Isso é segredo! – respondeu o sábio.

No dia seguinte o sábio passou pela pousada onde o golpista estava hospedado. Ele não estava. Havia saído para enganar mais alguém. O velho sorriu de satisfação. Foi ao pasto da fazenda mais próxima e recolheu, numa lata, uma boa porção de dejetos de vaca, ainda quentinhos, voltou e avisou o pessoal para ficar preparado porque o espertalhão iria sair correndo depois do que estava para acontecer.

O velho despejou os dejetos de vaca no chão e pôs um chapéu em cima ficando agachado segurando-o. Não demorou muito e lá vinha o malandro assobiando uma melodia, contente da vida depois de enganar meio mundo. Olhou o velho ali abaixado segurando aquele chapéu e, intrigado, ele perguntou:

- O que tem aí, velho, debaixo deste chapéu?

- Meu amigo, finalmente eu consegui aprisionar o pássaro mágico!

- Pássaro mágico? Nunca ouvi falar.

- Pois é, moço, este pássaro, que está embaixo do chapéu, vale uma fortuna. Todos os moradores de Barbalândia já tentaram aprisioná-lo, hoje eu consegui. - e bateu no peito com a mão livre continuando a falar. - Só que eu preciso de uma gaiola para prender o bichinho. Se você puder segurar o chapéu eu vou até em casa buscar a gaiola. – pediu o sábio.

- Pode deixar, eu tomo conta do pássaro.

E o velho foi embora deixando o espertinho na estrada sob um sol muito quente, acocorado segurando um chapéu que cobria o pássaro raro. O tempo foi passando, o velho não voltava, o trapalhão suava em bicas e ao mesmo tempo elaborava um plano para levar a ave mágica, vendê-la e ganhar muito dinheiro deixando o velho na mão. Os moradores da cidade estavam só aguardando o sabichão passar correndo como disse o velho.

Não agüentando mais, o golpista resolveu executar o seu plano e foi levantando, bem devagarzinho, a aba do chapéu e: Crau - meteu a mão para agarrar ave valiosa. Deu um grito. A mão veio cheia de esterco de vaca melando a manga do seu paletó branco e escorrendo pelas pontas dos dedos. Ele saiu em desabalada carreira com o pessoal atrás dele gritando: “fora espertalhão de meia tigela”. Ele passou na pousada, pegou as suas tralhas e pôs o pé na estrada jurando que nunca mais voltaria a Barbalândia.

- Puxa, vovó, bem feito pra ele. – disse o Nandinho depois que sua avó terminou de contar a historia que ele havia pedido.

- É, meu filho, para um esperto existe um outro mais esperto. Você percebeu que não foi preciso violência para livrar Bobolândia, digo, Barbalândia daquele sujeito sem moral. Não se deve enganar as pessoas em hipótese alguma. Isto é falta de humanidade e de cristandade.

Amor 219

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria:
Amor

Um beijo carinhoso
Bocas que se estudam
Línguas que se buscam
Mãos entre os cabelos
Olhos voltados um para o outro
Você como que encantada
E eu provando teu batom
Nossos corpos ainda leves...AMOR

E da troca dos fluídos
Um beijo alucinado
Bocas se engolindo
Línguas que se enroscam
Quatro mãos a deslizar
Pálpebras semicerradas
Você pulsando arrepiada
E eu explodindo em ereção
Nossos corpos comprimidos...
Paixão.
Carregando