Poesias e Mensagens Virtuais

Mensagens de Renato Hoffmann

Meu querido Pai

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa

Meu querido Pai

Sei que já não sou nenhuma criança e tenho a impressão de que você está vivendo a plenitude dos seus dias.
Seu lar, seus filhos, sua esposa,
seu trabalho lhe dizem que já realizou alguma coisa.
Hoje volto meus olhos para você Pai
e agradeço a Deus por você ser meu pai.
Não posso esconder a alegria incontida de ser seu filho.
Sei que quando nascio seu coração quase explodiu de alegria e com outro filho ou todos outros, seria igual.
Não posso esconder nesta hora uma preocupação:
Você é frágil
e tem tantas riquezas escondidas nesta fragilidade.
Gostaria de poder aproveitar ao máximo tudo isso.
Lembro-me quando à noite você vinha até meu quarto,
fechava seus olhos e contemplava-me,
hoje sei o que pensava:
Em meu futuro, quem seria eu,
o que me reservaria a vida?
Quero a cada dia ser mais seu amigo,
quero escutá-lo e serví-lo,
quero rir quando estiver rindo
e quero chorar quando você estiver chorando.
Peço a Deus que eu saiba lhe respeitar,
ser paciente e compreensivo com você
e neste dia peço a Ele também
que lhe abençoe por toda sua vida.
Te amo muito...

Vou pra casa da vovó

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa

Vou pra casa da vovó
Ana Canéo

Chega de tanta injustiça
de castigo e confusão!
Vou pra casa da vovó,
não tem outra solução!

Estou mesmo decidido
e pra sempre eu me mudo.
Aqui eu não posso nada
e por lá eu posso tudo!

Posso comer chocolate,
posso até me empanturrar.
Posso comer sobremesa
até antes do jantar.

Mesmo que eu faça bagunça,
vovó não briga comigo.
Se eu beliscar o irmãozinho,
vovó não me põe de castigo!

Vou fazer a minha mala,
meu carrinho eu vou levar.
Vou levar o meu cachorro
e o meu jogo de armar.

Vou levar meu travesseiro,
levo também meu pião,
pego os meus livros de história
e o meu time de botão.

Levo as coisas que eu gosto,
pra ter tudo sempre a mão:
levo também o papai,
a mamãe e o meu irmão!

Grande homem

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa

Grande homem

Ao acordar logo cedo
Ali, passei a analisar,
Quantas coisas que fizemos,
Sem ao menos repensar.

Pensar que somos sábios,
É a mais comum das ações,
Que todos os nossos desejos
São de fáceis resoluções.

Para conter nossos impulsos,
Sejam eles os mais estranhos,
Sempre teremos alguém,
Orientando nossos sonhos.

A sua força não discuto,
Seja ela na palma da mão.
Sempre me convence a aceitar,
E mudar de opinião.

O seu olhar carinhoso
Permite-me reconhecer,
Que ele sempre tem razão,
E eu preciso amadurecer.

É de papai que eu falo,
Este nome, quem não conhece?
Ele é o herói da família.
Muito amor ele merece.

A avó

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa

A avó
Bastos Tigre

A vovó também é velha,
Franzidinha como quê.
Passa os dias lá na rede,
Entretida no crochê.

Às vezes fica zangada
Com o barulho que faço.
Pega na chinela, eu me rio,
Ela ri e lá vem um abraço.

Um dia virou a casa
Para os óculos achar.
Remexeu canto por canto
E queria me culpar.

Bem que eu sabia de tudo,
Mas aquilo era uma festa,
Pois vovó tinha os óculos
Presos no alto da testa. 

 

Homenagem ao Avo

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa

Homenagem

Ao vovô e à vovó viemos homenagear:
Louvamos a Deus por suas vidas,
Vamos com todo o carinho os abraçar,
Elês são para nós verdadeiro tesouro!
Dia e noite aos filhos e netos se dedicam,
Intercedendo a Deus por todos nós.
Amor de Vô e de Vó não tem igual!
Doce ternura vemos no seu olhar,
O caminho certo nos ensinam a trilhar,
Sábios conselhos sempre têm para dar.
Ao Senhor fazemos hoje esta petição:
Vem abençoar todos os vovôs e vovós,
O coração lhes enche de alegria,
Saúde e paz dá-lhes em profusão!

Os Óculos da Vovó

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa

Os Óculos da Vovó
Dom Marcos Barbosa

— Como acabar meu tricô,
como assistir à novela,
se esses óculos benditos
me somem sem mais aquela?

Vovó, procurando os óculos,
vai do quarto para a sala
e de novo volta ao quarto,
sem ninguém para ajudá-la.

E até parece que os netos
estão a se divertir,
pois mesmo seu predileto
faz força para não rir.

Deve saber onde estão,
porque lhe diz o malvado:
— Já está ficando quente
seu chicotinho queimado!

E o diz quando está no quarto
ou à sala torna a voltar.
— Mas como pode uma coisa
em dois lugares estar?

Em sinal de desespero
leva então as mãos à testa:
ali estão os seus óculos
e tudo vira uma festa. 

 

A arte de negociar

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Virtude
A arte de negociar

PAI - Escolhi uma ótima moça para você casar.
FILHO - Mas pai, eu prefiro escolher a minha mulher.
PAI - Meu filho, ela é filha do Bill Gates...
FILHO - Bem, neste caso, eu aceito.
Então, o pai negociador vai encontrar o Bill Gates.
PAI - Bill, eu tenho o marido para a sua filha!
BILL GATES - Mas a minha filha é muito jovem para casar!
PAI - Mas este jovem é vice-presidente do Banco Mundial...
BILL GATES - Neste caso, tudo bem.
Finalmente, o pai negociador vai ao Presidente do Banco Mundial.
PAI - Sr. Presidente, eu tenho um jovem recomendado para ser vice-presidente
do Banco Mundial.
PRESIDENTE DO BANCO MUNDIAL - Mas eu já tenho muitos vice-presidentes, mais do que o
necessário.
PAI - Mas, Senhor, este jovem é genro do Bill Gates.
PRESIDENTE DO BANCO MUNDIAL - Neste caso ele pode começar amanhã mesmo!


Moral da estória: Não existe negociação perdida. Tudo depende da estratégia.

19/07 - Dia Nacional do Futebol

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa

Origem do futebol

Embora não se tenha muita certeza sobre os primórdios do futebol, historiadores descobriram vestígios dos jogos de bola em várias culturas antigas. Estes jogos de bola ainda não eram o futebol, pois não havia a definição de regras como há hoje, porém demonstram o interesse do homem por este tipo de esporte desde os tempos antigos.

O futebol tornou-se tão popular graças a seu jeito simples de jogar. Basta uma bola, equipes de jogadores e as traves, para que, em qualquer espaço, crianças e adultos possam se divertir com o futebol. Na rua, na escola, no clube, no campinho do bairro ou até mesmo no quintal de casa, desde cedo jovens de vários cantos do mundo começam a praticar o futebol.



História do Futebol : origens

Origens do futebol na China Antiga

Na China Antiga, por volta de 3000 a.C, os militares chineses praticavam um jogo que na verdade era um treino militar. Após as guerras, formavam equipes para chutar a cabeça dos soldados inimigos. Com o tempo, as cabeças dos inimigos foram sendo substituídas por bolas de couro revestidas com cabelo. Formavam-se duas equipes com oito jogadores e o objetivo era passar a bola de pé em pé sem deixar cair no chão, levando-a para dentro de duas estacas fincadas no campo. Estas estacas eram ligadas por um fio de cera.

Origens do futebol no Japão Antigo

No Japão Antigo, foi criado um esporte muito parecido com o futebol atual, porém se chamava Kemari. Praticado por integrantes da corte do imperador japonês, o kemari acontecia num campo de aproximadamente 200 metros quadrados. A bola era feita de fibras de bambu e entre as regras, o contato físico era proibido entre os 16 jogadores (8 para cada equipe). Historiadores do futebol encontraram relatos que confirmam o acontecimento de jogos entre equipes chinesas e japonesas na antiguidade.

Origens do futebol na Grécia e Roma

Os gregos criaram um jogo por volta do século I a.C que se chamava Episkiros. Neste jogo, soldados gregos dividiam-se em duas equipes de nove jogadores cada e jogavam num terreno de formato retangular. Na cidade grega de Esparta, os jogadores, também militares, usavam uma bola feita de bexiga de boi cheia de areia ou terra. O campo onde se realizavam as partidas, em Esparta, eram bem grandes, pois as equipes eram formadas por quinze jogadores.Quando os romanos dominaram a Grécia, entraram em contato com a cultura grega e acabaram assimilando o Episkiros, porém o jogo tomou uma conotação muito mais violenta.

O futebol na Idade Média

Há relatos de um esporte muito parecido com o futebol, embora usava-se muito a violência. O Soule ou Harpastum era praticado na Idade Média por militares que dividiam-se em duas equipes : atacantes e defensores. Era permitido usar socos, pontapés, rasteiras e outros golpes violentos. Há relatos que mostram a morte de alguns jogadores durante a partida. Cada equipe era formada por 27 jogadores, onde grupos tinham funções diferentes no time: corredores, dianteiros, sacadores e guarda-redes.

Na Itália Medieval apareceu um jogo denominado gioco del calcio. Era praticado em praças e os 27 jogadores de cada equipe deveriam levar a bola até os dois postes que ficavam nos dois cantos extremos da praça. A violência era muito comum, pois os participantes levavam para campo seus problemas causados, principalmente por questões sociais típicas da época medieval.
O barulho, a desorganização e a violência eram tão grandes que o rei Eduardo II teve que decretar uma lei proibindo a prática do jogo, condenando a prisão os praticantes. Porém, o jogo não terminou, pois integrantes da nobreza criaram um nova versão dele com regras que não permitiam a violência. Nesta nova versão, cerca de doze juízes deveriam fazer cumprir as regras do jogo.

O futebol chega à Inglaterra

Pesquisadores concluíram que o gioco de calcio saiu da Itália e chegou a Inglaterra por volta do século XVII. Na Inglaterra, o jogo ganhou regras diferentes e foi organizado e sistematizado. O campo deveria medir 120 por 180 metros e nas duas pontas seriam instalados dois arcos retangulares chamados de gol. A bola era de couro e enchida com ar. Com regras claras e objetivas, o futebol começou a ser praticado por estudantes e filhos da nobreza inglesa. Aos poucos foi se popularizando. No ano de 1848, numa conferência em Cambridge, estabeleceu-se um único código de regras para o futebol. No ano de 1871 foi criada a figura do guarda-redes (goleiro) que seria o único que poderia colocar as mãos na bola e deveria ficar próximo ao gol para evitar a entrada da bola. Em 1875, foi estabelecida a regra do tempo de 90 minutos e em 1891 foi estabelecido o pênalti, para punir a falta dentro da área. Somente em 1907 foi estabelecida a regra do impedimento.

O profissionalismo no futebol foi iniciado somente em 1885 e no ano seguinte seria criada, na Inglaterra, a International Board, entidade cujo objetivo principal era estabelecer e mudar as regras do futebol quando necessário.

No ano de 1897, uma equipe de futebol inglesa chamada Corinthians fez uma excursão fora da Europa, contribuindo para difundir o futebol em diversas partes do mundo.

Em 1888, foi fundada a Football League com o objetivo de organizar torneios e campeonatos internacionais.

No ano de 1904, foi criada a FIFA ( Federação Internacional de Futebol Association ) que organiza até hoje o futebol em todo mundo. É a FIFA que organiza os grandes campeonatos de seleções ( Copa do Mundo ) de quatro em quatro anos. Em 2006, aconteceu a Copa do Mundo da Alemanha, que teve a Itália como campeã e a França como vice.A FIFA também organiza campeonatos de clubes como, por exemplo, a Copa Libertadores da América, Copa da UEFA, Liga dos Campeões da Europa, Copa Sul-Americana, entre outros.



História do Futebol no Brasil

Nascido no bairro paulistano do Brás, Charles Miller viajou para Inglaterra aos nove anos de idade para estudar. Lá tomou contato com o futebol e, ao retornar ao Brasil em 1894, trouxe na bagagem a primeira bola de futebol e um conjunto de regras. Podemos considerar Charles Miller como sendo o precursor do futebol no Brasil.

O primeiro jogo de futebol no Brasil foi realizados em 15 de abril de 1895 entre funcionários de empresas inglesas que atuavam em São Paulo. Os funcionários também eram de origem inglesa. Este jogo foi entre FUNCIONÁRIOS DA COMPANHIA DE GÁS X CIA. FERROVIARIA SÃO PAULO RAILWAY.

O primeiro time a se formar no Brasil foi o SÃO PAULO ATHLETIC, fundado em 13 de maio de 1888.

No início, o futebol era praticado apenas por pessoas da elite, sendo vedada a participação de negros em times de futebol.

Em 1950, a Copa do Mundo foi realizada no Brasil, sendo que a seleção brasileira perdeu o título, em pleno Maracanã, para a seleção Uruguaia (Uruguai 2 x Brasil 1). Em 2014, a Copa do Mundo de Futebol será realizada novamente no Brasil.

Dia do Futebol

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa
   Muita gente não sabe, mas o esporte mais popular do país tem um dia só para ele! No ano de 1863, os representantes dos clubes de futebol ingleses, após seis reuniões na Freemasons Tavern, em Londres, fundaram o The Football Association.

A Associação redigiu um código com 13 regras que foram sendo modificadas até chegar ao número de 17.

Só em 1870 é que os times passaram a ter oficialmente 11 jogadores em campo.

A primeira partida entre seleções nacionais foi em 1872: Escócia x Inglaterra.

O jogo foi em Glasgow, na Escócia, e teve um público de 3500 espectadores, que não devem ter ficado muito satisfeitos com o resultado de 0 a 0! O futebol profissional começou em 1885 na Inglaterra.

A FIFA (Fédération Internationale de Football Association) surgiu mais tarde em Paris, no dia 21 de maio de 1904.

Quatro amigos apaixonados por futebol queriam promover jogos entre os países da Europa e, mais tarde, para o resto do mundo.

Os tais amigos eram o editor francês Jules Rimet, o industrial gráfico francês Henry Delaunay, o banqueiro holandês C. A. W. Hirschman e o advogado francês Robert Guérin. Aliás, Guérin foi o primeiro presidente da FIFA: de 1904 a 1906.

O primeiro brasileiro a dominar a nobre arte de controlar a bola e marcar gols era quase um inglês.

Charles Miller nasceu no Brás, em São Paulo, descendente de ingleses e escoceses.

Aos 9 anos, seguiu para a Inglaterra com a finalidade de estudar. Lá, aprendeu - e bem - a jogar futebol.

Quando desembarcou de volta ao Brasil, em 1894, Charles Miller se surpreendeu ao descobrir que ninguém praticava o esporte bretão por aqui. Sorte que trouxera duas bolas, uma agulha, uma bomba de ar e dois uniformes.

Nem é preciso dizer que o futebol tornou-se o esporte mais popular do país.

O futebol está presente mesmo nas cidades mais distantes, entre crianças da mais tenra idade: mal aprendem a andar, é comum que ganhem logo uma bola e daí já arriscam seus primeiros passes.

Crescendo neste meio onde o esporte é tão popular, é natural que surjam craques - e muitos.

Porém, poucos têm a chance de treinar em um grande clube e ficar famosos ou receber enormes salários como os que vemos na televisão.

Dia Nacional do Futebol

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa
Dia Nacional do Futebol
Por Jussara de Barros Graduada em Pedagogia

No dia 19 de julho comemora-se o dia nacional do futebol.

A escolha da data se deu através da CBF, Confederação Brasileira de Futebol, para homenagear o primeiro time registrado como clube no Brasil, o Sport Clube Rio Grande, fundado em 1900.

O futebol chegou ao Brasil em 1849, através de Charles Miller, que estudou na Inglaterra, onde aprendeu a dominar as técnicas futebolísticas. Ao retornar para o país, trouxe uma bola, uma agulha, uma bomba de encher e um uniforme. Com a divulgação do esporte, este se tornou uma paixão do povo brasileiro, fazendo do nosso país o maior campeão mundial.

As primeiras regras do futebol foram criadas pela associação de futebol de Londres, na Inglaterra, através dos dirigentes dos clubes ingleses. Primeiramente elaboraram treze regras, mas em razão das necessidades, estas passaram para o número de dezessete.

Em 1885 o esporte passou a ser profissionalizado, estimulando o aumento de sua prática, sua evolução técnica e tática. Em virtude de sua popularização por todo o mundo, foi criada uma organização internacional a fim de coordenar os interesses voltados para o esporte, a FIFA - Federação Internacional de Futebol Association.

A origem do esporte se deu por volta dos anos 2.600 a.C, na China, onde era praticado por oito jogadores em cada time, num campo de quatorze metros.

Dentre as modalidades futebolísticas temos o futebol de campo, o futebol de quadra (também conhecido como futsal ou de salão) e futebol de areia (ou beach soccer), cada um com suas regras específicas. Outra forma de jogar é o futebol de botão, feito num tabuleiro e jogado por duas pessoas, mas reproduzindo as mesmas regras.

As competições de futebol acontecem no âmbito municipal, estadual, nacional e internacional. Alguns campeonatos ainda são subdivididos em série A e B, primeira e segunda divisão.

Os campeonatos estaduais são disputados por times das cidades que compõem cada estado, podendo ter mais de um time por cidade. Essas disputas são muito acirradas e muitas vezes as mais violentas, pois as torcidas se encontram nas ruas.

Os campeonatos nacionais são disputados por times que representam os estados, de onde saem os campeões do país. Nessas competições temos o Brasileirão e a Copa do Brasil.

As disputas internacionais acontecem a cada ano, como a Libertadores da América, sul-americano, Mundial do Japão, liga dos Campeões, além dos campeonatos italiano, espanhol e vários outros. O campeonato mais importante mundialmente é a Copa do Mundo, realizada de quatro em quatro anos. Com ela, acontece também a Copa das Confederações, a fim de aquecer os times que participarão da copa do mundo.

Abraço certo para cada lugar

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa
Abraço certo para cada lugar
Fabio Arruda
No trabalho
no trabalho o abraço é completamente dispensável. Basta um aceno, um cumprimento por meio de olhares. "Essa mania de querer ficar dando abraços individualmente é desnecessária e faz com que a pessoa perca bastante tempo."
Em casamentos
A idéia de abraçar a noiva é um absurdo. "As pessoas não se contentam em apenas abraçar. Fazem afagos, pegam no cangote, encostam além da conta. Elas esquecem que a noiva está com um vestidão, gastou um tempo danado fazendo o penteado e maquiagem. Temos que ter consideração e não desmontá-la."

Em velórios
O abraço pode valer mais do que mil palavras. "Seguido de um olhar, esse gesto pode ser melhor do que qualquer coisa que você venha a dizer neste tipo de situação."
Calorosos e efusivos
Manifestações de afeto calorosas, efusivas, por meio de abraços apertados valem para aniversários, reencontros e comemorações. No entanto, não se deve esquecer o grau de intimidade com a pessoa. "Muita gente se acha íntima de todo mundo, mas nem sempre o mundo se considera seu íntimo. É realmente necessário saber discernir entre aqueles que querem ser abraçados. Um abraço não-correspondido é o mesmo que alguém te dar as costas".

Amizades perigosas

Amigos estão liberados para abraçar. No entanto, é fundamental que exista respeito quando o outro estiver acompanhado pelo cônjuge. Apoiar-se no alicerce de que "somos apenas bons e velhos amigos" não é uma tática válida. Primeiro, porque o (a) acompanhante pode não achar a mínima graça, no (a) amigo (a) esbanjando afetuosidade. "Nessa hora, também vale o jogo de cintura. A pessoa deve deixar claro que está acompanhada, sem perder o bom humor. Tem muitos caras e meninas que chegam abraçando por pura questão de provocação. O respeito não deve ser deixado de lado".
Ex
Assim como o amigo, o ex também pode causar saia-justa, ainda mais quando quer tentar uma reaproximação. Se a pessoa já estiver em outra, o melhor é se afastar. "Não se abraça pessoa acompanhada".
Primeiro encontro
Seguindo o critério de que você deve abraçar pessoas com quem já tem o mínimo de intimidade estabelecida, a recomendação é não abraçar logo no primeiro encontro, com os sogros, por exemplo. "Caso sua sogra for te abraçar, retribua. Se ela está demonstrando afeto, nada pior que ignorar".
Cantada
Segundo o consultor, muitas pessoas usam o abraço como forma de demonstrar segundas intenções. Dessa forma, acabam apelando para o abraço-agarro, que costuma ser mais apertado. "Depois de uma terceira tentativa, se a pessoa não conseguir o que pretende, é bom partir para outra tática".
Casais
Casais apaixonados devem ter bom senso. O hábito de andar abraçados não é conveniente em qualquer lugar. "Por exemplo, em um parque espaçoso não há problema, mas em um shopping lotado no fim de semana, os casais andando abraçados parecem querer formar uma nova Muralha da China. Eles podem fazer o favor de se desgrudar para liberar a circulação."
Virtual
Muitas pessoas têm mania de terminar o e-mail com a palavra "abraço" ou a versão econômica "abs". "Você só deve escrever abraço se é uma pessoa que você realmente abraçaria no mundo não-virtual. Caso contrário, não escreva", a linguagem virtual não é bem-vinda. Nada de bjs, abs, att.
Despedida
Na hora de se despedir em eventos em que há muita gente, não é fundamental se despedir de um por um. Não é nada elegante falar em voz alta "Tchau, gente. Aquele abraço. Tudo de bom, hein?!".Basta falar tchau. "Se você decidiu não dar abraço em ninguém, não precisa dizer algo que você não deseja fazer."

Tipos de Abraço

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa
Tipos de Abraço
Kathleen Keating
ABRAÇO PADRÃO
"Fiquem de pé olhando um para o outro, braços envolvendo os ombros, os lados da cabeça apertados um contra o outro, e os corpos inclinados para a frente sem se tocar absolutamente abaixo do nível dos ombros. Assim. Esse é um abraço padrão. O tempo gasto neste tipo de abraço normalmente é breve, uma vez que significa quase sempre "olá" ou "até logo".
O sentimento que está por trás disso é de apreço ou de cordialidade formal.
O abraço padrão é mais apropriado para conhecidos novos ou colegas de profissão, ou em situações que requeiram certa formalidade. Por oferecer pouca ameaça, é confortável para pessoas tímidas ou sem prática.
Este é um abraço clássico, e não deveria ser menosprezado devido a sua qualidade formal. Tem grande aplicação e é portanto benéfico para uma ampla gama de pessoas.
Um abraço padrão é particularmente adequado para:
- Uma tia-avó que você não vê desde que era criança.
- O marido da chefe da sua mulher.
- Seu antigo orientador acadêmico.
- Uma nova nora."
ABRAÇO DE URSO
Aquele abraço apertado, cheio de energia, que nos envolve e às vezes chega a nos tirar o ar. Naqueles dias em que a gente não consegue botar pra fora, e está lá se auto-reprimindo na concha, esse abraço faz com que o novo ar possa entrar na gente...
"No abraço de urso tradicional (assim chamado devido aos membros da família Ursidae, que tão bem o praticam), uma pessoa geralmente é maior e mais larga do que a outra, mas isso não é indispensável para manter a qualidade emocional do abraço de urso. Quem for mais alto poderá permanecer de pé ou levemente curvado sobre o parceiro mais baixo, envolvendo firmemente os ombros deste com os seus braços. O parceiro mais baixo fica de pé com a cabeça apoiada no ombro ou no peito do parceiro mais alto, braços enlaçados - também firmemente - em volta de qualquer área entre a cintura e o peito, que eles alcancem. Os corpos se tocam num apertão forte, vigoroso, que pode durar de cinco a dez segundos, ou mais."
ABRAÇO XÔXO
Sem graça, sem vontade, é aquele falso abraço, onde não de dá nem se recebe nada, apenas se cumpre um protocolo bobo.
ABRAÇO COM TAPINHAS
Dado principalmente por homens, sendo um jeito criativamente yang de se substituir a emissão de energia através do contato constante. O machismo repele o contato, mas o espírito de amizade cria esse método...
ABRAÇO ENVOLVENTE
Mais comum entre os casais, embora não seja ato exclusivo destes. É similar ao abraço de urso, onde os corpos se tocam sem restrições. A diferença é que enquanto o abraço de urso enfatiza um "apertão forte e enérgico", o abraço envolvente vai primar pela duraçào do contato físico. Costuma-se procurar e receber a cabeça do outro que repousa sobre peito ou ombro.
ABRAÇO NOTURNO
"Esse é um abraço familiar, acontece entre casais, entre filhos e pais, entre irmãos e também pode ser cultivado entre amigos íntimos.É assim, a gente se enrosca um no outro e coloca a cabeça no peito do outro e fica bem grudadinho, ouvindo música ou vendo um filme no vídeo. Assim dá a sensação de que tudo pode ser gostoso e quentinho como aquele momento, ou então, se as coisas vão mal, traz a sensação de estarmos seguros em nossa união, amor e Calor Humano, até que tudo se transforme". (Cristina Giese)
ABRAÇO CANTADO
Aquele abraço em que a energia presa se solta. Emite-se um gemidinho.
ABRAÇO COM BALANCINHO
Gosta de vir junto com o abraço cantado. Se o abraço é o colinho versão "crescida", o balancinho seria o balancinho que acompanha o colinho tantas vezes... Não é relaxante?
ABRAÇO DE LADINHO
Muito usado para comemorações, para que os "abraçadores-abraçados" possam olhar para um mesmo lugar ou ter mais liberdade para pular, dançar ou cantar enquanto se abraçam.
ABRAÇO DE OLHO ABERTO
Quando tememos algo à nossa volta, quando aquele abraço parece inconveniente. Mas qdo olhamos p cima com alegria,é que estamos fazendo uma imagem maravilhosa daquele momento. Quando olha-se perdidamente, é que o abraço está remetendo ao passado. Quando olhamos para baixo estamos evocando o sentimental com toda a força. Tende-se ao drama.
ABRAÇO SEM JEITO
Um abraço dado em situação embaraçosa. Ocorre sempre que um ou os dois "abraçadores" não tem intimidade com o outro. É também um abraço que surpreende, e dependendo da situação pode ter mensagens muito variadas.
UPA!
terno abraço dado pelos pais em suas crianças, ou pelas crianças em seus pais. É um agarro firme e gostoso, seguido de uma respiração profunda e a expressão "UPA", que pode ser rapidinha ou comprida, acompanhando o tempo do abraço: "UUUUPPPAAAAA!!!!"
ABRAÇANDO UM PERTENCE
Você já teve um bichinho, um lençol, até mesmo uma bola, enfim, um objeto com o qual você dormisse? Então você já sabe do que se trata este aconchegante abraço. Tais objetos podem representar mil coisas no simbólico, mas algumas sensações tem uma repetição mais freqüente: a de "guardião do sono", em que o objeto é símbolo de segurança; a de profunda identificação e idolatrização (a alegoria do totem também é bem quista neste caso) com o tema do objeto (o tipo exemplo do menino que se realiza jogando futebol e à noite dorme com a bola;
Embora esse tipo de abraço seja mais comum entre as crianças, ele também existe entre os adultos. Um bom exemplo disso é o apego que alguns tem pelo carro próprio, que nele dvee representar valores mais típicos da carência adulta, como independência e liberdade.
ABRAÇO DE DESPEDIDA
Às vezes é breve e a ele se segue uma olhada para baixo. Em outros, trata-se de um longo abraço, em que ambos se comprimem, como se frisassem que o laço não será desfeito após a despedida, ou pelo menos esse seria o desejo mútuo. Muitas vezes são acompanhados de dizeres sentimentais. Os olhos sempre estarão fechados.
ABRAÇO PARA AFASTAR O MEDO
O medo aqui em seu sentido mais primal leva as pessoas a se abraçarem. As crianças são mais facilmente impelidas a isso, mas quando o estimulo de medo é forte o bastante para cortar a racionalidade desenvolvida nos adultos, também se desenvolve esse mesmo "reflexo". Vemos isso nos parques de diversão onde o perigo simulado hoje é tônica, e também nas tristes situações reais onde mais de uma pessoa encontram-se impotentes diante da morte eminente.
ABRAÇO DE UMBIGO
o melhor do abraço é aquele que recebe e transmite carinho, como se os canais de energia se abrisse, e um pouquinho de nossa essência fosse para o outro, e um pouqiunho da essencia do outro viesse para nós. O abraço em que os umbigos se tocam é o abraço de abertura e expressa que se dá intimidade afetiva ao outro.
 

Chato ou Xato?

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Humor

Chato ou Xato?


Chatice encontar um chato ou um xato. Chato era novinho, jovem com dois olhinhos reluzentes, embora foche um bocado exquizito: um dos olhox era vermelho e o outro axul. Xerto dia e com maich alguma confianxa adquirida passadox doix segundox, perguntei-lhe:
Ouve lá, porque tench tu doix olhox com corex diferentex? (enquanto penso para continuar esta estúpida estória, vou tomar um cafechito e venho Xá.)
…………………………………………- ……………Xá vim. Bem eehHh, Porque o azul era castanho e ficou vermelho, o vermelho que já foi verde, ficou azul e…..bolas, troquei tudo! Maix um cafezito para desembrulhar as ideias e venho Xá……)………………….Xim, já vim….: Bem, nasci assim e pronto.
Olha, porque és um Chato?
- Ouve lá e porque éx tu um Xato?
Bem criaram-me para Chatear os Xatos, e tu?
Disseram-me, que quando encontrasse um Xato, para o Chatear.
Então e agora?
Bem eu Chateio-te e tu Xateias-me, sim?
E se encontramos outros Chatos e Xatos?
Bem, Xateamo-los e Chateiam-se, não é?
Certo.
Bom, cá vai…….Chato!
Não Xato…!
Não Chato és tu!
Não, Xato és tu!
Não Chato és tu!
Não, Xato és tu!
Não Chato és tu!
Não, Xato és tu!
Não Chato és tu!
Não, Xato és tu!
Não Chato és tu!
Não, Xato és tu!
Não Chato és tu!
Não, Xato és tu!
…………………………………………- …………………………………………- ………………………….. E isto já dura há séculos…
Mas entretanto como Deus estava farto destes dois, decidiu criar algo para acabar com aquela briga interminável.
Criou uma Chata e uma Xata.
Como se pode imaginar acabou tudo como previsto: O Chato e o Xato acabaram por se calarem….
Bem, afinal acabou para eles, pois esta história Chata dox Xatos e doch Chatos continuou…
Chata…!
Não Xata és tu…
Não, és tu…!
Não Xata és tu…
Não, és tu…!
Não Xata és tu…
Não, és tu…!
Perguntou eu, para onde foram afinal os Chatos? Ou mesmo os outros Xatos?
Porque fazem comichão?
Bem ainda devem estar a discutir uns com os outros algures…..

Foi um pequeno momento de descontração, pausa no café.
 

Carnaval: Ô, produtor

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa
Ô, produtor
(versão de Allah-lá-ô)

Ô, produtor, ô ô ô ô ô ô
Tu demorô, ô ô ô ô ô ô
Pra agendar a entrevista que me falta
A rival foi mais esperta
E furou a nossa pauta.

Carnaval: Me dá um frila aí

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Comemorativa
Me dá um frila aí
(versão de Me dá um dinheiro aí)

Ei, você aí, me dá um frila aí
Me dá um frila aí
Ei, você aí, me dá um frila aí
Me dá um frila aí.
Não vai dar?
Não vai dar, não?
Vou te ligar e ir à redação
Te enlouquecer de tanto insistir
Me dá, me dá, me dá (oi)
Me dá um frila aí.

Bola de meia, bola de gude

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Criança
Bola de meia, bola de gude
Milton Nascimento

Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem pra me dar a mão
Há um passado no meu presente
Um sol bem quente lá no meu quintal
Toda vez que a bruxa me assombra
O menino me dá a mão
E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito
Que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade alegria e amor
Pois não posso
Não devo
Não quero
Viver como toda essa gente
Insiste em viver
E não posso aceitar sossegado
Qualquer sacanagem ser coisa normal
Bola de meia, bola de gude
O solidário não quer solidão
Toda vez que a tristeza me alcança
O menino me dá a mão
Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto fraqueja
Ele vem pra me dar a mão   

Criança não trabalha

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Criança
Criança não trabalha
Arnaldo Antunes / Paulo Tatit

Lápis, caderno, chiclete, peão
Sol, bicicleta, skate, calção
Esconderijo, avião, correria,
Tambor, gritaria, jardim, confusão
Bola, pelúcia, merenda, crayon
Banho de rio, banho de mar,
Pula sela, bombom
Tanque de areia, gnomo, sereia,
Pirata, baleia, manteiga no pão
Giz, merthiolate, band aid, sabão
Tênis, cadarço, almofada, colchão
Quebra-cabeça, boneca, peteca,
Botão. pega-pega, papel papelão
Criança não trabalha
Criança dá trabalho
Criança não trabalha
1, 2 feijão com arroz
3, 4 feijão no prato
5, 6 tudo outra vez

Samba-Enredo: Mocidade Alegre

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Mocidade Alegre
Da chama da razão ao palco das emoções... Sou máquina, sou vida... Sou coração pulsando forte na avenida !!!

Compositores do Samba-Enredo China da Morada, Ferreira, Luis Roberto, Murillo TK, Pinheiro e Rafa

hegou Mocidade o grande dia

Avante nossa família

Que traz a chama da razão

E faz brilhar nesta avenida

A luz que ilumina cada ser

É a fonte do saber

Na religião, mistério e segredo... É o coração!!!

O Renascimento desperta a ciência

Fazendo o homem conhecer

Sua própria existência


Máquina da vida eu sou

Com saúde e mais amor

Quem doa renova a vida em outro ser

Sou ritmo puro que te faz viver


Entre tantas emoções

Amores revelam cenário de paixões

Enamorados ao luar, o cupido me flechou

Gostoso é o amor materno

Puro e eterno pra me acalentar

Sou inspiração na poesia

O grito de gol no ar

São tantos sambistas imortais

Inesquecíveis carnavais

Por ti darei a minha vida escola querida!!!


É mais uma emoção

Batendo forte no meu peito

Eu sou morada e não tem jeito

Faz pulsar o coração

O sonho de ser campeão.

Samba-Enredo: Pérola Negra

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Pérola Negra
Guiado por Surya, pelos caminhos da Índia, em busca da pérola sagrada

Compositores do Samba-Enredo Mydras, Carlinhos, Bola, Ladislau e Michel


O vento soprou... Aroma

No sonho lindo, um jardim de alegria

Uma voz soberana me fez viajar

Paraíso de encanto e magia

Pelos caminhos da Índia - Shangrilá

A pérola sagrada fui buscar

O símbolo mais puro do amor

Aliança entre o homem e o divino

Trouxe paz, sabedoria

Surya, luz que irradia



Mistério da fé milenar

Cultura pra enriquecer, ao desvendar

Em goa respirei felicidade

De corpo e alma na esperança de encontrar



E passo a passo, amor

O sol me orientou

Cheguei ao templo do imperador

Senti a mesma paixão

Mas não vi brilhar minha jóia rara

Voltei ao jardim

Aquela voz disse assim:

O carnaval vale ouro

E a Índia é inspiração

Encontrei você

No meu coração!



Meu batuque faz a vila madalena despertar

A comunidade abraçou

Pérola Negra o meu grande amor.

Samba-Enredo: Rosas de Ouro

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Rosas de Ouro
Bem-vindos à fábrica dos sonhos...

Compositores do Samba-Enredo Marquinhos Boldrini, Maurício Paiva, Armênio Poesia, Aquiles da Vila, Chanel, Fredy Vianna 

Eu sou operário da ilusão

Vou pintar seu coração

De azul e rosa

Criando sonhos pra vida inteira

Lá vem roseira

Atravessei o portal da magia

No jardim da folia, vi guardiões

Desfilei entre "fadas rainhas"

Pierrôs, colombinas, arlequins embalavam foliões

Tem arte e cultura em meu mundo encantado

Foi tudo criado com amor e paixão

O meu sonho é o retrato

Do trabalho em união



Sonhar é sair do papel

Viver a fantasia

Brilha uma estrela, caiu do céu

Pra fazer do ano um grande dia



Alô arquibancada!

Galera ligada, com muita emoção

Sou paulistano sambista

O sonho do artista, na televisão Vou me inspirar

Nessa saudade sem fim

De quem transformou essa rosa

Na majestade do jardim



Meu sonho vale ouro

Vai conquistar geral

Só quero acordar, pra te confirmar

Deu rosas nesse carnaval!

Samba-Enredo: Unidos da Tijuca

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Unidos da Tijuca
Tijuca 2009: uma odisséia sobre o espaço

Compositores do Samba-Enredo Júlio Alves e Totonho


Dourado é o sol a clarear

No azul do céu, estende o véu, isso é Tijuca

Chegou, na cauda do cometa o pavão

E a minha estrela foi buscar na imensidão

Cruzou o céu no limiar do infinito

O meu Borel visto de cima é mais bonito

Eu vou alçar ao espaço

Cavaleiro alado a desvendar

Além das estrelas o Monte de Zeus

Horizonte de meu Deus, Oxalá


Vai Tijuca, me faz delirar

A essência vem de lá

Da ciência a navegação

Luar que embala meus sonhos

Luar de qualquer estação


Eu vi brilhar em seu olhar a devoção

A lenda do Guerreiro e o dragão

O despertar da fantasia

Vi também, a criança em seu carrossel

De heróis das estrelas um céu

De mistérios e magia

Na tela, tantas jornadas pelos astros

Quem dera poder viver em pleno espaço

Vejo em minha lente a imagem sideral

Viagem do meu carnaval


A nave vai pousar

E conquistar seu coração

O dia vai chegar

Quando brilhar nossa constelação

Samba-Enredo: Leandro de Itaquera

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Leandro de Itaquera
Leandro de Itaquera faz a festa das periferias do Brasil para o Mundo. Salve, Salve nossa estrela Regina Casé!
Compositores do Samba-Enredo Xixxa, Juba, Didi Poeta, André Ricardo, Wagner, Rodolfo Minueto, Rodrigo Minueto e Gomes


Sou Leandro, sou guerreiro da periferia

Tenho garra, vou à luta... Sou leão

Meu pavilhão é luz que irradia

A vermelho e branco do meu coração.



Povo forte, sonhador ô ô

Valente, cheio de esperança

Oh! Solidário sertão, sofrimento, ilusão

Adeus asa branca

Gente que sobe o morro

Constrói sua vida com dignidade

Favela, a nossa raiz... Carente, mas sempre feliz

De raças, culturas tão lindas, patrimônio nacional

O samba que desce a ladeira

E traz a cidade inteira pra brincar o carnaval



É a fé, muito axé, a bênção meus orixás

Gira aí, diz no pé, energia... Saravá

Ah! Seu Zé, mas quanta alegria

Swinga majestosa bateria



Assim é o nosso dia a dia, do sonho à realidade

Com educação e cidadania

Trabalho, esporte pra comunidade

Notícia boa é assim, vem em tom de igualdade



Se liga no som, é rap, é baião

É funk, é brega, pagode na palma da mão



Estrela a brilhar, no teatro, cinema e TV

Põe a boca no trombone pra alertar

Em prol dos direitos de viver

Eu, tu, eles a sambar na central da periferia

Hoje vamos coroar um exemplo de mulher

Salve, salve Regina Case!

Salve, salve Regina Casé!

Samba-Enredo: Unidos do Peruche

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Unidos do Peruche
Do ventre da Terra a indomável cobiça do homem

Compositores do Samba-Enredo Rodrigo Atração, Tuca Maia, Mineiro, Gordinho, Digão


A Peruche é jóia rara

Brilha e reluz meu pavilhão

A escola mais preciosa

Vai conquistar seu coração.


Nasce de uma grande explosão

Uma história de cobiça e ambição

Riqueza que ao mundo encantou

Do ventre da terra germinou

Foi primitiva a criação o adorno da sedução surgiu

E assim se espalharam entre os povos

Preciosidades o homem produziu

Com formas e cores lapidou e evoluiu

No Egito imortalizou o faraó

Na antiguidade encantou a realeza

O ornamento nas igrejas imperou

Na mais sublime forma de beleza


Fonte mais linda de inspiração, sedução

Reflete no olhar

Desperta o amor

Dádiva do criador


Brasil, o reino encantado

Brasil, gigante explorado

A esmeralda conduz a obra de um grande poeta

Aos olhos de Oxum, no canto do negro, o ouro luziu

E no caminho das águas, o diamante brotou

Existe a consciência, que a natureza implora

É tempo de preservar, essa é a hora!

Samba-Enredo: Beija-Flor

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Beija-Flor
No chuveiro da alegria, quem banha o corpo lava a alma na folia

Compositores do Samba-Enredo Tom Tom, Marcelo Guimarães, Lopita, Jorge Augusto e Veni Vieira

Águas do tempo

Fonte da vida, purificação

No azul da fantasia mergulhei

Nas ondas da emoção

Lá no Egito começou o hábito de se banhar

Um ritual de prazer que conquistou a realeza

No Oriente imperou

E os males da mente expulsou

Nas ervas, o aroma renovou

Nas termas, a luxúria e o vapor

Chega a Idade das Trevas

O corpo se fecha, o sonho acabou

E o que dava prazer virou pecado

O banho foi excomungado




As águas rolaram

As mentes lavaram, clareou!

O índio ensinou, o banho voltou

E o mundo se purificou




Renasce a esperança

Toda corte é perfumada

A sujeira é disfarçada até que um francês descobriu

Corpo limpo, corpo são

O banho evoluiu

Banho de chuva, banho de cheiro, oi...

Banho de felicidade

Banho de gato, amor

Relaxa e dá calor de verdade

Banho de lua ou de sol

Na cachoeira ou no mar

Odoyá, Iemanjá

Oxum! A deusa do encanto, estende o seu manto

Aos orixás a nossa fé

Quem banha o corpo lava a alma

E toma um banho de axé!




No chuveiro da alegria

Salve! As águas de Oxalá, embala eu Babá

Feito um rio de magia que deságua luxo e cor

Banhando o povo vem a Beija-Flor

Samba-Enredo: Tom Maior

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Tom Maior
Uma nova Angola se abre para o mundo! Em nome da paz, Martinho da Vila canta a liberdade!

Compositores do Samba-Enredo Maradona, Amós, Claudinei, Ferracini, Tinga e Ricardo


É nova Angola com mais amor

Seus ideais, de independência e libertação

Chega de guerra e opressão

Buscando o caminho da paz

Um povo que tanto sofreu... Renasceu

E brilha o sol da nova era

Reconstruindo a sua história

Rainha Nzinga guerreira

Com seu exemplo, rompeu fronteiras

Entre correntes e lamentos

A negritude atravessou o mar

Fazendo desse chão seu gueto

O Brasil é negro e hoje vem sambar



Oi deixa a gira girar... Vamos girar

A proteção zambi nos dá

Vem na ginga d'Angola

E deixa o corpo balançar



Mais tarde o filho volta, ao lugar que o concebeu

Levando a sabedoria que aprendeu

Axé para quem estendeu a mão

Firmando aliança com o nosso irmão

Reconhecendo essa nação

Angola tão cheia de luz!

Conquistada por um sonhador

Terra de seus ancestrais...

Exalta seu embaixador!

É Martinho, é José, partideiro, escritor

É da Vila Isabel, que fez Kizomba lá no bairro de Noel

Bate tambor batuqueiro O canto do negro ecoou É tempo de liberdade e felicidade Em Tom Maior é negra a cor.

Samba-Enredo: Viradouro

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Viradouro
Vira-Bahia, pura energia!

Compositores do Samba-Enredo Heraldo Faria, Flavinho Machado, Edu Velocci, Raphael Richaid e Floriano do Caranguejo

Quando Orum se encontra com Ayê

Oh! Mãe-Pátria! Salve a sabedoria

Eu quero caminhar com a Natureza

Me ensina a desvendar toda essa riqueza

Recebo do seu chão a energia

E bate bem forte o tambor

Nas ruas de São Salvador

Conduz os meus passos, Senhor do Bonfim

Olorum mandou cuidar do seu jardim

E disse mais: Vai buscar na mata

No biocumbustível a nossa proteção

Filha do sertão no tabuleiro

Dendê, meu dengo, óleo de cheiro


Um dia Oxalá iluminou

Tocou no coração da nossa gente

O acordo do bem se faz oração

O mar não pode invadir o meu sertão


Sopra um vento nos canaviais

Brota a doce esperança de paz

Na força do trabalho dessa gente

Do bagaço nasce um tesouro

O lixo se veste de luxo, reluz em ouro

A água deixa o céu e se abraça com o chão

Renova a energia sob as bênçãos de um trovão

Vermelho e branco, que paixão!


A Viradouro pede axé

Caô, Xangô, Iansã, Yalodé

Vira-Bahia, pura energia

Explode num canto de fé

Samba-Enredo: Mocidade

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Mocidade
Mocidade apresenta: Clube Literário - Machado de Assis e Guimarães Rosa... Estrela em poesia!

Compositores do Samba-Enredo Jefinho, Santana, Ricardo Simpatia, Marquinho Índio e Diego Rodrigues

Reluzente, estrela de um encontro divinal

Risca o céu em poesias

Traz a magia pra reger meu carnaval

Despertam das páginas do tempo

Romances, personagens, sentimentos...

Machado de Assis, que fez da vida sua inspiração

Um literato iluminado

As obras, um destino, a superação

Nos olhos da arte reflete o legado

Do gênio imortal, do bruxo amado

Que deu ao jornal um tom verdadeiro

Apaixonado pelo Rio de Janeiro


A canção do meu sarau te faz sonhar

A emoção vai te levar

A estrela adormece, na paz do amor

Abençoado, um novo sol brilhou


O vento traz Rosa de Minas

Rosa do mundo pra te encantar

Palavras que tocam a alma

Fascinam e tem poder de curar

Pelas veredas do sertão, a fé, o povo em oração

Pedindo a santa em romaria pra chover em nosso chão

Mistérios na vida desse escritor

Revelam histórias de um sonhador

Brasil de tantas artes, nas letras sedução

Herança em cada coração


Mocidade, a sua estrela sempre vai brilhar

Um show de poesia, em nossa Academia

Saudade em verso e prosa vai ficar

Samba-Enredo: Casa Verde

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Casa Verde
É feriado, é festa, é celebração. O tigre comemora na avenida e exalta seu pavilhão. São 15 anos de paixão
Compositores do Samba-Enredo Junior Marques e Raphael do Império


Vem comemorar, mantendo viva as tradições

Desse povo brasileiro, misto de várias nações

Do calendário cristão, vou fazer meu carnaval

Festa de ramos pra abrir semana santa

E pra findar o coelhinho entregador

Faz a páscoa colorida, doce sabor

Tem Santo Antônio, tem São Pedro e São João

Bota lenha na fogueira amor, deixa queimar

Tem romaria pra saudar a padroeira

Nossa Senhora Aparecida

Luz que reluz e ilumina

A Casa Verde na avenida



São Cosme e Damião, abençoai nossas crianças

Peço paz e um feliz Natal

São os votos da família Imperial



Em 22 de abril, amor a primeira vista

Ó pátria amada, de heróis imortais

Independência, escravos nunca mais

Agradeço ao céu por ter você mamãe querida

Por ter você papai, meu grande herói

Nossa família é mais que unida

Trabalhando em união

Sem tirar do índio seu quinhão

Vamos plantar a esperança pra colher a paz

Poder brindar com nosso povo

Saúde e amor, feliz ano novo

É carnaval

Mais uma vez o astro rei nos ilumina

Meu tigre guerreiro é linda a sua trajetória

São 15 anos de história

Que emoção.

Samba-Enredo: Nenem de Vila Matilde

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Nenem de Vila Matilde
60 anos – “coração guerreiro”, a grande refazenda do samba

Compositores do Samba-Enredo Ney do Cavaco, Cláudio Russo, Tricolor, J. Velloso e Marquinhos

Num show brilhou a inspiração

Iluminando o coração de um menino

E a minha águia faz, seu vôo e traz

A sua história, seu presente, seu destino...

Falar de amor, encontrar a canção

Aplausos ao meu pavilhão

Quilombo do samba a nascer

Foi lá na casa grande a senzala a se erguer

A negra herança que balança a poesia

No culugundum da bateria



Em sampa ecoa meu cantar

Das mãos do cacique vi brotar

Semente do samba, valente guerreira

A minha escola não é brincadeira



Sambas que marcaram sua história, Vila Matilde

A bênção Portela, valeu verde e rosa

Sou da negritude o fruto e a raiz

Corintiano, coração bate feliz...

Sabe porque?

O samba é o nome e o sobrenome é Nenê

A zona leste refazendo o carnaval

Do Largo do Peixe ao espaço sideral

Mais que sessenta, muito mais!... A eternidade

Agora agüenta que é só felicidade



Samba aí que eu quero ver você sambar

Vem comigo festejar

Alô! Você que todo ano me espera

Sessenta anos!... Sou nenê com a galera

Samba-Enredo: Mangueira

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Especial
Samba-Enredo: Mangueira
A Mangueira traz os Brasis do Brasil, mostrando a formação do povo brasileiro

Compositores do Samba-Enredo Lequinho, Jr. Fionda, Gilson Bernini e Gusttavo Clarão

Deus me fez assim, filho desse chão

Sou povo, sou raça... Miscigenação

Mangueira viaja nos Brasis dessa nação

O branco aqui chegou

No paraíso se encantou

Ao ver tanta beleza no lugar

Quanta riqueza pra explorar

Índio valente guerreiro

Não se deixou escravizar, lutou

E um laço de união surgiu

O negro mesmo entregue à própria sorte

Trabalhou com braço forte

Na construção do meu Brasil


É sangue, é suor, religião

Mistura de raças num só coração

Um elo de amor à minha bandeira

Canta a Estação Primeira


Cada lágrima que já rolou

Fertilizou a esperança

Da nossa gente, valeu a pena

De Norte a Sul desse país

Tantos Brasis, sagrado celeiro

Crioulo, caboclo, retrato mestiço

De fato, sou brasileiro!

Sertanejo, caipira, matuto... Sonhador

Abraço o meu irmão

Pra reviver a nossa história

Deixar guardado na memória, o seu valor


Sou a cara do povo... Mangueira

Eterna paixão

A voz do samba é verde e rosa

E “nem cabe explicação”
Carregando