Poesias e Mensagens Virtuais

Mensagens de Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Quantas vezes... 15

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Quantas vezes...
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Quantas vezes me sinto perdido ao sair pela noite
Em passos silentes e aflitos numa rua modesta
Fantasiando te pedir que me abrace forte
Juntar nossos corpos, tomar tuas mãos
Deitar no seu colo e dizer bem baixinho:
Distinta beleza, morro de amor por ti!
Quisera ser teu por séculos infindáveis
Moça dos anjos que habita minh´alma
Ah, amada se soubesses
Que as horas não se ausentam
Quando a saudade cruelmente
Disfarça meu sorriso e faz reclame de você

Mas se já foram as esperanças...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Mas se já foram as esperanças...
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

O que fazer com todas as andanças
Que porventura fizemos juntos?
Ah, se os dias não mais risonhos
Cansados de chorar pelos cantos
Padecem a cada segundo
E agora, o que eu digo à saudade
Quando ela vier te procurar por maldade
Para me fazer chorar?
E das lembranças que invadem o dia-a-dia
Se eu pudesse, juro, esqueceria
Só para não sofrer demais
Diga que o tempo é o melhor amigo
Pois dele farei o meu abrigo
E não sairei de lá
Até tua presença eu sentir...sei
Que então certeza eu terei
Do que é o verdadeiro amar
Deixe um abraço, daqueles, bem apertado
Com um beijo, assim, tão delicado
Para me fazer sorrir
E as amarguras dessa ausência tua
Será passado quando eu vir a lua
Recordando dos teus olhos o luzir

Logo tu

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
   Logo tu
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Logo tu que eu nunca beijaste
Poderia fazer-me permutar
Qualquer instante mais íntimo
Por um só de seus abraços
Tormento que a cada minuto
Sufoca minh´alma ao visitar-me
Quando apenas estou latente
E desperto, fingindo-se ausente
Ao fazer-me sonhar acordado
Tu que assolas qualquer coração
Perturbando a paz de outrora
Sequer entende o nobre sentimento
Ultrajando quem tanto lhe adora



Por quê gosto de você?

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Por quê gosto de você?
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Talvez eu devesse começar a responder essa pergunta no momento exato em que lhe conheci há algum tempo. Pessoa carinhosa, meiga sincera, amiga, inteligente, sensível, certamente eu teria imensa dificuldade de dizer em poucas palavras tudo aquilo que você representa em minha vida. Nem mesmo a eternidade vale um pedacinho da sua amizade, minha doce e inesquecível amiga.

Pedra preciosa que entende não ser necessário mostrar suas inúmeras virtudes em público, pois tem ciência que o vidro brilha maravilhosamente diante do sol, porém o ouro fascina ainda que dentro
de um cofre. Não precisamos questionar o que vale mais. Admiro suas inúmeras qualidades, seu modo de ser, agir e pensar. Não julgo, ainda mais pelo que vejo, mas afirmo pelo que sinto com o coração.

Você é um recanto inesgotável de amor, alegria e entusiasmo. És sonho difícil de acreditar que se tornou realidade. Pessoa magnífica, estrela-guia em que repousa a paz. Um oásis de beleza rodeado de pássaros que atendem por diversos cognomes: magia, delicadeza, educação, pureza, firmeza, sensualidade, mistério, fascínio.

És assim... linda por inteiro. Se me perguntarem um dia quem é você, responderei sem receio de errar: imagine um campo florido, o sol brilhando, céu azul, o mar ao fundo em degrade com o céu. Pessoas
sorrindo, cantando, pulando de alegria. Imaginou? Isso é um dedinho dela, eu diria. É tão difícil descrever pessoas como você...tão especiais. Mas pelo menos me esforço... e espero que eu consiga demonstrar o quanto você é importante para mim. Assim como és por demais especial para todos que a cercam.

A uma morena

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
A uma morena
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Você mulher das estrelas, esculpida por Deus e lapidada pelos anjos da beleza. Ensinou o que é amar e o que é o amor. Olhar fascinante, brilha mais que a mais brilhante das estrelas que existe, seduz...morena alta de rosto rosado, olhos castanhos, bem claros, cabelos sedosos, macios, longos, negros, como a mais rara das pérolas ou belo reflexo num espelho.

Bem sei que nunca poderei tê-la ao meu lado, pois não teria paz, menina sublime que atrai a tantos olhares, ainda que seu sorriso traga-me a calma da brisa do mar. Moça de raro fascínio, encanto
divino, como posso traduzir seu rosto sem jeito quando recebe o mais singelo dos elogios!?

Diga que é de mentira, que nunca a vi, pois não saberei viver somente como amigo. Sim...desejo que solte seus braços que me abraçam e deixe que flutuem pelo meu corpo tal como minhas mãos em seu rosto. Deixe que eu me perca em suas curvas, na pele macia em que minhas mãos passeiam com a mais latente vontade, como rio que corre para o mar...doces anseios.

Morena, você é sinônimo de sedução, cujo nome está guardado dentro do meu peito, como do amor uma linda canção, melodia em corpo, letra no sorriso. Não sei se me ensinaram a viver, mas aprendi a reconhecer o amor, que você exala na mais pura essência, delicada e encantadora pétala de flor.

Quero 33

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Carinho
Quero
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Quero um olhar, um sorriso, um cantar
Um estar lânguido ao deparar-me
Com beleza tua, tão sublime
Que fascina, fere o âmago
Quero uma palavra, um gesto
Ou apenas tuas mãos
Enroscando-se em meu corpo
Desarmando-me e levando-me
Ao cruel desatino de desejar
Mergulhar minha língua em tua boca
Oceano imensurável de anseio
Quero teu corpo suado
Sobre meu em ardente brasa
Queimando de paixão e amor
Que alimentam minh´alma
Nesse mais que firmamento instante
Quero ouvir murmúrios de prazer
Gritos antes suprimidos
Por estarmos impedidos pelo destino
De saciarmos nossa quimera
Quero êxtase no fim
E cansados de amar envoltos
Um no outro almejando fôlego
Começar tudo de novo

Promessas 2

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Promessas
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Já prometi a mim mesmo,
Não mais tentar explicar ao menos,
os motivos que levaram-na a não entender...
O quanto tenho guardado dentro de mim,
sentimento dilacerante por tal sonho
de pessoa que o destino traçou distante
por ironia, quem sabe desprezo,
ou por vontade de Deus...

Já prometi a mim mesmo
esquecer das falsas juras amorosas,
que permeavam suas cartas
palavras que o vento levou...

Já prometi a mim mesmo,
esquecer da sua presença,
nos dias chuvosos ou ensolarados...
comigo cantando ao luar,
músicas de amor sem fim,
momentos eternos de um lindo passado,
fonte de amor, enfim...

Já prometi a mim mesmo
secar cada lágrima dos olhos meus
ao lembrar que a vida é mais do que penar
por alguém que não lhe merece,
e que nunca soube o significado
do verdadeiro e puro amar.

Deixe-me provar teu gosto

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Deixe-me provar teu gosto
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Deixe-me provar teu gosto
Êxtase infindo em lábios de favo
Saciar quimera antes contida
Desejo ardente não mais preservado

Deixe-me a língua enroscar na tua
Tornando segundos, horas eternas
Jamais pensar no momento cessar
Ainda que o fôlego peça clemência

Deixe-me o corpo em brasa viva
Incontrolável, encontrar o teu
Envolver-te os braços, afagar seu rosto
Suavemente com os beijos meus

Deixe-me deitá-la sob o manto
Do firmamento que a vida ilumina
Despi-la toda e assim nua
Ao céu causar inveja, pintura divina

Deixe-me invadir teu íntimo
Ouvir gritos, minhas mãos acariciar
Seu corpo, também escultura
Curvas perfeitas que almejo explorar

Deixe-me cansado, exausto, enfim
Após décadas de carícias, respirar
E no momento silente apenas dizer
Vamos tudo recomeçar...

Pessoas como você 3

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Pessoas como você
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Procuramos a cada dia encontrar pessoas que sejam compatíveis com os nossos anseios. É próprio do ser humano desejar conhecer quem possua as mesmas idéias ou tanto em comum, embora a diversidade, muitas vezes, enriqueça culturalmente.
Na jornada da vida caminhamos por sinuosas estradas que nos fazem conhecer pessoas que têm prazer de viver e as que infundem tristeza. Aquelas repletas de carinho ou carentes. Obstinadas, autênticas, amigas, amantes. Porém, ainda que muitas cruzem nosso trajeto, não privam-nos do afã de encontrar pessoas como você. Essa extraordinária mulher que consegue reunir tantos adjetivos sem pedir licença. És linda, audaz, inteligente, amiga, carinhosa; apenas como sumário de uma tese enciclopédica cujo fim desconheço. Fonte inesgotável de magia, encanto e mistério! São incontáveis as fantásticas sensações de encontrar pessoas como você! Incrível, mas consegues resumir todas em apenas dez letras: f-e-l-i-c-i-d-a-d-e!
Agradeço a Deus por conhecer a cada dia um pouco mais a seu respeito. Pessoas como você deveriam existir na vida de todos! Aliás, obrigatório no currículo escolar desde a alfabetização: conhecer pessoas geniais! Complexo, não? Talvez por que sejam como diamantes, minerais preciosos difíceis de encontrar cujo brilho inigualável nos remete a um oásis ou ainda, quem sabe, sejam como pérolas, protegidas pela concha fascinante da vida. É você! Um carinho, uma força, imagem da perseverança. É você! Um louco desejo de deixar fluir o amor existente dentro de si permeando a vida daqueles que a cercam de êxtase infindo. Sim...assim é você! Uma pessoa que merece todo o respeito e admiração que o Universo pode oferecer. Linda mulher cujas palavras pronunciadas mais parecem notas harmonizadas de uma doce melodia, suave, daquelas que fazem suspirar. Delicada dama que faz até mesmo o sol invejar-se com a luz que você irradia. Pintura-mor dos sentimentos mais louváveis. É você, pessoa encantadora e encantada que faz feliz a mim e todos que estão ao seu redor, simplesmente por ser...um sonho!

Aprendi 23

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Aprendi
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Aprendi que na vida temos que amar
Amar muito mais do que o muito do amar
Estar ao lado da pessoa amada
Sorrindo, cantando e brincando
Muito mais do que o muito do sorrir, cantar e brincar
Aprendi que os laços da amizade permanecem
E que superam a distância e o tempo
Muito mais do que o muito da distância e do tempo
Aprendi que devemos celebrar nosso viver
A cada dia, a cada momento, a cada fração de segundo
Muito mais do que o muito dessa celebração
Pois ainda que lágrimas façam morada em nossos corações
Insuficiente essa tristeza torna-se
Quando próxima do muito mais do que o muito
Da alegria de viver!

Se você não existisse... 3

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Se você não existisse...
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Se você não existisse
Nem posso imaginar
Ausente a cascata de amor
Reflexo sem luz da dor

Se você não existisse
Eu a teria inventado
Só para ficar todos os dias
Cada segundo ao seu lado

Se você não existisse
Não haveria paz, beleza
Alegria, carinho ou sorriso
Muito menos paraíso!

Se você não existisse
Qual razão de um desejo?
Bocas secas, anseio ardente
De um pecar tão quente


Se você não existisse
Para que poesia, estrela
Lua, sol, terra e mar
Sem a felicidade à visitar?

Se você não existisse
O mundo estaria vazio
Seria triste, apagado
Viveria sempre amargurado

Se você não existisse, quer saber?
Também queria não existir!
Pois só há vida enquanto se vive
Com alguém como você

Pensando em você 36

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Pensando em você
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

É pensando em você
Que questiono as tristes horas
Transformando-se na alegria mais pura
Quando a saudade torna-se ínfima

É pensando em você
Que questiono porquê
Desesperar-se diante da profunda dor
Se a cada dia o sol surge com fervor

E nessas horas eu percebo
Que mais valioso que um abraço amigo
Ou, talvez, um sincero pesar

É saber a preciosidade
Das palavras que encontram-se
Nas respostas do teu olhar



Eu queria... 4

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Eu queria...
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Eu queria voltar ao passado para conceder os abraços que ficaram perdidos num soluço de vaidade. Dizer amo-te sem medo de risadas levianas, simplesmente por nascer no coração.
Desejaria recomeçar belos momentos a fim de permitir que lágrimas de alegria escorressem pelos meus olhos sem que eu tivesse receio do que os outros poderiam pensar.
Ambicionaria regressar ao passado para silenciar a voz com um beijo ou apenas deixar a ansiedade e o desejo ardente falarem por mim. Um doce anseio de que o silêncio de um momento alegre se eternizasse no brilho do olhar de alguém.
Cobiçaria retornar ao passado só para sentir mais forte a respiração num instante sublime, em que reina a suavidade, a delicadeza, a concordância do tempo em enfeitar termos que insistem em permanecer presos na garganta teimosa que tem medo de não sei o que por desconhecer o que poderá acontecer.
Aliás, estranho querer estar presente em cada toque, em cada olhar, em cada gesto de uma paixão ou de um amor, seja este amigo, romântico ou materno. O que importa!?
Eu só queria poder saber porque temos tanto medo de sofrer se a vida nos proporciona infinitas oportunidades de felicidade. O sol, o mar, as estrela, o céu. Bem, talvez pelo fato de nossos medos surgirem muitas vezes daquilo que não conhecemos ou não queremos aceitar por não ser agradável as nossas expectativas. Egoístas? Sim, somos! Sabemos que o mundo dá muitas voltas, entretanto desejamos profundamente que ele gire em torno de nós...apenas!
Ah, como eu queria não ser notado por essa gente que passa e sequer sabe que passou. Dessa gente que sofre por ter medo de sofrer. Dessa gente que briga, dessa gente que brilha e deixa que seu brilho se perca na escuridão de seus pensamentos egocêntricos, muitas vezes ostentando - para humilhar - uma carteira ou um pedaço de papel. Dessas pessoas que envelhecem
fisicamente e pensam que o mundo findou.
Por outro lado, queria um pouquinho dos meninos senhores que sabem a hora de sorrir, entendem o amor, a vida e a paixão. Queria um pouco da calma de quem guarda experiência em décadas de alegrias e, sim, o aprendizado de momentos difíceis. Queria o colo materno, lar mais seguro e aconchegante que
possa existir, diversas vezes ao segundo. Queria a luz do sorriso sincero de um bebê que amolece qualquer coração pétreo.
Queria a esperança num mundo mais justo contida nos que foram desprezados por seus filhos e um espelho que refletisse a alma destes. Queria mãos dadas na praia dos 14 aos 80 na mesma intensidade e com a mesma infantilidade.
Queria que todos brindassem a vida todos os dias e comemorassem cada dia como se fosse 25 de Dezembro. Queria ofertar paz, amor e saúde para todos os povos, nem que fosse apenas 364 vezes ao ano. Queria o gosto de um beijo apaixonado a cada fração de minuto e ouvir "sinto a sua falta" a todo instante.
E se me oferecessem o mundo aos pés em troca de tudo
isso... desejaria que você respondesse por mim!

Eu desisto...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Eu desisto
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Desisto de tentar entender essa saudade louca, mesmo sendo ignorado e muitas vezes desprezado por você. Não vou mais tentar explicar-lhe o que sinto através das palavras e gestos que pouco traduzem o tanto que eu gosto de ti. Você esqueceu toda a tristeza que dia-a-dia insiste em visitar meus desejos quando surge o sol de prata.

Sonhei muitas vezes em brincar no teu corpo, fazê-la repousar em meu peito. Juro, desejaria entendê-la ao menos uma vez! Saber por quê tanta indiferença, por quê tanta mudança, por quê tanto desdém? Aflito, vou calar-me diante da incapacidade de fazê-la compreender que sou mais teu do que de mim...não adianta construir sem antes erguer um forte alicerce...você não entende...

Muitas vieram, tantas foram, porém você ficou. E por quê logo você, razão de toda minha inspiração que sequer esforça-se para aceitar todo o carinho que lhe oferto? Logo você que inventou o amor não lembra mais o que é carinho. Não peço que aceite, mas que respeite, ao menos, o que sinto...como dói o menosprezo!

Estranha sensação que seu comentário sempre provoca... magoa, fere, dilacera. Um choro sem grito, uma dor silente, ardência sem lágrimas, melodia sem som, um adeus disfarçado de até breve. Talvez seja essa uma das piores angústias que a vida pode nos proporcionar além da perda. Tantos anos já passaram, no entanto ainda guardo seu cheiro, seu toque, seu jeito. Muitos afirmam ser bobagem criar pseudo expectativas, mas não ensinam como aceitar ou esquecer. Eu queria tanto aprender...

É o tempo que não passa, a canção que não pára, os momentos que não vão. Presença diária da tua ausência que incomoda por eu saber que serei ferido mais uma vez. Sequência interminável da angústia de desejá-la eternamente...não aguento.

Explique-me, como pode ficar tão chateada com elogios? Sim...essa é a imagem que por mais que eu tente, não consigo apagar. Ela que briga, maltrata, mas é linda. Sou réu confesso e meu crime é ter seu nome marcado em meu coração que não desistirá de apelar ao tribunal dos sentimentos mais profundos. Porém, esforçarei-me para desistir, sofrendo, ainda que toda essa luta seja em vão...

Ei...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Ei...
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Ei, psiu...
Sim, é com você que eu quero falar
E dizer que sinto saudades dos abraços
Daquele sorriso falante
Dos olhos sorridentes
Que deixaram-me mudo
Em fração de segundo

Ei, você...
Foi ótimo sentir teu calor
Seu toque, carinho, suspiro
Que acobertados pela brisa
Fez eterno, breve momento

Ei, saudades...
De tuas mãos passeando em minhas costas
Respiração quente em meu pescoço
Das batidas dos corações sincronizadas
Fez nascer felicidade em minh´alma

Ei, anjinha...
Diga-me se és de verdade
Ou se foi mera ilusão
Intermináveis diálogos no silêncio
Em meio a duradoura emoção

Ei, como eu queria...
Agradecê-la por existires
Por tua companhia, força e palavras
Que jamais deixaste de oferecer-me
E sempre alegraram-me

Ei, não vá...
Vem pra mim e desperta
Anseio de não mais ir embora
De parar o tempo em teus braços estando
Acordado, não mais sonhando

Ei, não chores...
Pois por pior que seja tua dor
Afirmo que não é maior
Que solidão minha da tua ausência
Dilacera-me sem dó

Ei, desnecessário faz-se...
Dizer nome meu
Mas, se quiseres pode
Chamar-me de pétala de flor
Orvalho, céu, oceano
Ou, simplesmente, de amor!

Aqui e lá

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Reflexão
Aqui e lá
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Era início de noite na praia em que eu sempre passeava com minha esposa.

Praticamente calados, muito pouco conversávamos. Tínhamos bons empregos, carros, apartamentos, enfim, uma excelente condição financeira. Porém algo estava faltando. Eu caminhava com ela todos os fins de tarde, naquela mesma praia, e observava um casal que parecia ter pouco mais de 60 primaveras. Pareciam duas crianças brincando com a areia, abraçados, contando as ondas do mar, admirando as estrelas em meio aos abraços, cafunés e beijinhos que pareciam roubados ao seguirem sorrisos indescritíveis. Todos os dias eles ali estavam, sorrindo, cantando, festejando uma alegria que eu não conseguia explicar, visto que viviam em condições não muito favoráveis de se viver. Eram extremamente humildes. Moravam em um quartinho que fizeram de casa, com sala, cozinha e banheiro em poucos metros quadrados. Nunca soube se tiveram filhos e se estes deram-lhe netos. Mas eram tão felizes...

Não aguentando-me de curiosidade, certo dia ao andar por essa mesma praia, questionei-o:

- Sr., por favor, poderia responder-me a uma pergunta?

- Claro, meu jovem. Se estiver ao meu alcance, o farei com todo prazer.

Enquanto eu olhava para a senhora dele sentada na areia de frente para o mar, fiz a pergunta que angustiava-me há algum tempo:

- Olha, eu tenho carros, apartamentos, ótimo emprego, uma mulher linda, mas sinto que falta algo em minha vida. O que está faltando eu só consigo encontrar ao ver seu relacionamento com sua senhora. Qual é o segredo de tanta alegria e entusiasmo após décadas de relacionamento?

-Meu jovem, o segredo está em valorizar as coisas mais simples da vida. Um sorriso, uma palavra, um gesto. A partir do momento que tornamos isso mais importante do que tudo que o dinheiro pode comprar, passamos a ter aquilo que nenhuma quantia poderá pagar, que é o mais importante da vida. E isso, jovem, é o que realmente levamos daqui. Tivemos 6 filhos e com todas as dificuldades em nosso caminho, estão todos formados e trabalhando. Já temos alguns netos e sou muito grato a Deus por tudo! Passamos por muitos momentos difíceis, mas com fé e amor superamos tudo!

Ao virar o rosto para falar com este Sr., ele não encontrava-se mais ali. Nessa mesma hora, chegou minha esposa para contar-me do falecimento destes dois senhores, em sua humilde moradia, há algumas horas.

Faleceram abraçados, como não poderia deixar de ser, pouco antes de meu questionamento a ele.

Surpreso, apenas olhei para o local onde eles costumavam ficar, sentados, admirando um ao outro como dois eternos jovens amantes. Na areia havia um coração em que dentro dele estava escrito: "aqui e lá sempre vou te amar".

Assim que o mar apagou os dizeres, lá estavam eles, sumindo lentamente ao caminhar em direção ao lá com o mesmo amor, carinho, respeito e simplicidade que tiveram aqui.

Breve reflexão sobre o tempo

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Reflexão
Breve reflexão sobre o tempo
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

O tempo é plenamente incapaz...afirmam que tudo ele "retira". Que ilusão! Comentam que ele leva o vigor, a distância, a inspiração e a paixão. Não satisfeitos, dizem também que a ingratidão, a desesperança, a superação, a arrogância e o amor são também carregados, como em um rio e, assim, solucionasse quaisquer "desafios" nos caminhos sinuosos da vida de cada um. 

Custo a crer que dessa forma meditam. Como pode uma invenção humana ter o poder de mudar o anseio supremo? Entretanto, em sua perfeição divina, aprendemos a conviver com a experiência de vida, contudo jamais cessando o vigor da vontade de viver. Tomamos conhecimento que o mais simples ato de admirar os pássaros, jamais deixará a inspiração ausentar-se. 

A ingratidão e a desesperança caminham próximas uma da outra, embora inexistam enquanto houver sempre o afã de superação guardado no coração de todos nós. A paixão não resistirá quando olhos cruzarem-se sob o reflexo das estrelas no oceano. O amor, nobre e indefinível sentimento, permeando todos os demais, haverá de conter os mais cruéis desejos, sublimando os mais singelos. 

Então, um dia, entenderemos que o tempo, fruto da mente humana, é feito de momentos que nos fazem felizes ou tristes na sucessão dos anos, meses ou dias e que nos tornam a imagem e semelhança de Deus. 

Mulher divina

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Mulher divina
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Mulher assim, que nem você, apenas uma. É preciso encanto, magia, beleza, leveza ímpar e determinação de saber ser mulher. Aquela que sofre com as desigualdades, mas luta em prol da justiça sem jamais perder o caminho traçado por si com garra e esperança. Valente, corajosa, audaciosa. Desafia mais difíceis intempéries. Não foge à luta, embora preze sempre pela paz. 

Uma mulher que vibra, mulher de fibra, que sonha e transforma em realidade. Mulher que entontece com rosto exuberante, corpo perfumado, olhos brilhantes, curvas suaves, cabelos sedosos, boca que é puro desejo e que provoca estranhas sensações de querer mais depois de tão sublimes momentos, do êxtase até então pleno, quando o coração acelerado deixa que o olhar torne desnecessárias as palavras; silêncio tão-somente findado por suspiros calmos e uma paz que, sem pedir licença, domina a alma de quem, simplesmente, a abraça, rogando aconchego, proteção, afeto. 

Guerreira mulher que esconde jeito infantil e seduz o mais audaz entre os homens. Que entende sobre os mistérios do coração, traduzindo em gestos os vocábulos de centenas de poetas que jamais desistirão de explicar o amor. Ah, mulher que não sabe a força que carrega no caminhar, quando sequer percebe os pássaros orquestrando sua passagem sobre os arbustos que julgam palco. 

Mulher que ainda ferida por desilusões encontra força para cicatrizar, com perfeição, resquícios de bravas batalhas. Doce engano, eu pensava não encontrar incontáveis qualidades em uma só pessoa até encontrar você. Mulher, única, produzida por Deus, que perfeito em toda sua obra, céu, ar, terra e mar, resolveu iluminar ainda mais a vida de todos que a cercam colocando você em seus caminhos. Mulher-estrela que dispensa adjetivos por traduzir-se apenas como Mulher Divina. 

Hoje 43

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Hoje
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Hoje não quero lágrimas
Quero o teu sorriso
Iluminando os rostos sofridos
Hoje não quero um pesar
Quero tuas palavras
Que estão sempre a alegrar
Hoje não quero um violino
Mas, sim, o choro alegre
De um cavaquinho
Hoje não quero tristeza
No nosso povo guerreiro
Certo de tanta incerteza
Hoje não quero cantar
Em nenhum tom menor
A alegria de a vida amar
Hoje não quero pensar
Que você longe encontra-se
Pois senão vou chorar.

Por quê? 26

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Por quê?
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta


Por quê esconder-se de meus olhos
Quando sabes que não consegue teu corpo
Omitir ardente desejo em teu olhar
Dizendo palavras que seu suor não pode negar?

Por quê não desprezar o medo que te despreza
E beijar minha boca, entregar-se nua
Saciar quimera que não mais em vão
Equipara-se a minha, mulher dos nãos?

Por quê não liberta 
Seus escondidos sonhos
De prazeres contigos 
Por tantos anos?

Vem, debruça-se sobre mim sem temor
E, então, não mais esquecerás
Ao ouvir o silêncio que no ninho reinará
Você e eu encontrando o amor.

Não consigo não pensar em você

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Não consigo não pensar em você
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Não...
Eu não consigo não pensar em você
Desde aquele dia em que meus olhos
Viram-se perdidos com os seus
Mais que luzentes diamantes
Um luar, um florir, estrelas a brilharem
Meu corpo, brasa ardente de desejo
Quase não controlou-se
Por demais querer beijar-te, abraçá-la
Mas por quê fui me controlar?
Vejo que esse arrependimento
Que me tortura mês após mês
Dia após dia, minuto a minuto
Cedo não terá fim
Pois clara é tua imagem
Em minha exausta retina
De clamar com lágrimas por teu amor
Curvas perfeitas, rosto-menina, toque suave
O que faço para saíres de mim?
És uma sina!
Por ti eu tudo faria
Roubaria de saturno os anéis
Se pedisse-me o mais simples adorno
Porém, vejo que estou fadado
A conhecer do amor o fel
Por não poder também ser amado
É tão imenso esse sentimento
Que dilacera-me segundo a segundo
Ao ter certeza que jamais terei
Ao meu lado, alguém como você
Seu nome poderia ser mar,
Estrela ou, quem sabe, linda fada?
Amo-te, mas não posso revelar-te
Já que apenas uma vida é muito pouco
Para o infinito desse amor.

Sorrir 7

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amizade
Sorrir
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Sorrir é preciso
É preciso sorrir
Se teus dias não são como antes
Se nada mais te interessa
Razão para viver não há
Sorrir é preciso
É preciso sorrir
Se tudo perdeu a graça
Se o teu amor foi embora
Se as nuvens são cinzentas
Se você não se aguenta
Sorrir é preciso
É preciso sorrir
Se não tens colegas
Se amigos nunca existiram
Se a mágoa é tua companheira
Se tuas lágrimas são corredeiras
Sorrir é preciso
É preciso sorrir
Se me perguntas o motivo
Para dizer sorrir é preciso
É preciso sorrir
Apenas respire...sinta teu existir!

Como é fácil gostar de você

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Carinho
Como é fácil gostar de você
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta


Como é fácil gostar de você...
Não se pode negar ou sequer esconder
O sorriso do sorrir dos olhos teus
Que, teimosos, fazem luzir os meus

Como é fácil gostar de você...
Pois transpareces por rosto angelical
Pessoa alegre, divertida e calma
Do amor a semente plantada em minh´alma

Como é fácil gostar de você...
Moça que em desalinho balança o cabelo
Faz-me julgar pássaro ver tão fascinado
Bailando a cantar da vida a canção maravilhado!

Como é fácil gostar de você...
Cujo mais que luzente sorriso encanta
E o sol faz envergonhar-se...não minto!
Já que tamanho é o brilho nesse teu rostinho

Como é fácil gostar de você...
Assumo, seu jeito menina-mulher faz-me render
A esse teu existir que não cabe explicar
Nem com mil versos, estrelas ou luar.

Ainda que...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amizade
Ainda que...
Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Ainda que a desesperança
Escureça o brilho de sua existência
Jamais se esqueça: Estou aqui!
Pronto para contigo chorar e sorrir

Ainda que o medo
Faça de suas certezas, incertezas
Jamais se esqueça: Estou aqui!
Pronto para contigo chorar e sorrir

Ainda que a solidão e a angústia
Invadam seu alegre coração
Jamais se esqueça: Estou aqui!
Pronto para contigo chorar e sorrir

Ainda que a tristeza, profunda e dilacerante
Persista em destruir a luz que seu ser irradia
Jamais se esqueça: Estou aqui!
Pronto para contigo chorar e sorrir

Ainda que a raiva, triste sentimento
Consiga existir a paz existente em você
Jamais se esqueça: Estou aqui!
Pronto para contigo chorar e sorrir

E se um dia, eu não estiver mais pronto
Para contigo chorar e sorrir
Por favor, abrace-me amiga
Pois serei eu quem precisará de alguém para chorar e sorrir!

A rainha

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Reflexão
A rainha

Conta-se a lenda de uma rainha que viveu num país além-mar há muitos séculos. Sempre coberta de jóias e adornos preciosos que enfeitavam sua vestimenta valiosa, ela não media esforços para atormentar seus servos em prol do aumento da produtividade para saciar seus desejos de ostentar ainda mais a riqueza, ser admirada por todos e tornar-se um exemplo, embora o povo sequer conhecesse o sabor do pão que, em enormes recipientes, eram jogados no lixo todos os dias daquele castelo em que a rainha vivia e de onde raramente saía.

- Nada de útil esse povo pode oferecer-me além do ouro e da seda - dizia ela - para que possa ser dado o tratamento que eu, majestade, mereço. Muitos têm que sofrer para que poucos, como eu, desfrutem do prazer de viver. Essa é a lei! Tenho tudo que preciso: jóias, sedas e um mundo de facilidade e felicidade por isso.

Certa noite, enquanto todos dormiam, um de seus servos bateu à porta de seu aposento e deixou uma carta que dizia:

"Vossa majestade, por favor, com todo seu conhecimento e poder, peço que dê ao povo o que é do povo." Surpresa, a rainha ordenou que os servos trabalhassem mais uma hora por dia e aumentou os impostos da população.

Aproximadamente quinze dias depois, novamente outra carta fora deixada com os mesmos dizeres. A rainha, dessa vez, dobrou a sanção imposta aos servos e ao povo. Assim, passaram-se dois meses; cartas seguidas do aumento de horas e impostos, até que um dia a rainha subitamente sentiu-se mal, sendo constatado por médicos que não resistiria muitos dias devido à sua gravíssima condição.

Em seu leito, reuniu os servos e perguntou quem, durante aqueles dias, deixara cartas solicitando para dar ao povo o que é do povo, bem como o que deveria ser dado. Um dos servos tomou a dianteira do grupo e disse:

"Majestade, sempre acreditei que o que torna um homem rico e um exemplo de vida é o seu trabalho honesto, o reconhecimento de seu esforço e a dedicação com amor àqueles que o cercam. As jóias, os tecidos, nada disso levaremos em nossa trajetória. Gostaria apenas que vossa majestade desse ao povo o que é do povo: respeito enquanto ser humano, admiração enquanto trabalhador e amor como um irmão, pois somente isso nos faz crescer e nos tornarmos admirados, além de ser tudo o que realmente precisamos na vida para alcançarmos a felicidade".

Então, a rainha quase sem forças entregou a ele sua coroa dizendo em tom baixo de voz: "Irmão, vos faço meu sucessor, pois demonstrastes que dentro de ti reina os mais nobres sentimentos! Não fui digna da coroa, mas és digno desse povo!"

Com um delicado desejo de sucesso fechou os olhos e adormeceu para a eternidade.

(Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta)



"O amor transpõe qualquer barreira."
(Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta)

Rosa 7

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Reflexão
Rosa

A vida sempre nos reserva surpresas, sejam boas ou ruins. Entendemos que as ruins - por assim julgarmos - nos fazem aprender e melhorarmos. Porém, como seres imperfeitos e materialistas que somos, temos o costume de nos compararmos com os que acreditamos serem mais felizes. Será mesmo?

Outro dia estava conversando com um rapaz com pouco mais de duas décadas de vida. Ele contava-me que tinha uma definição de felicidade que até o presente momento eu desconhecia, pois sempre ouvi dizerem, de uma forma ou de outra, que felicidade era sinônimo de bens materiais. Já intrigado, questionei-o qual era sua definição e como ele chegara àquela conclusão. Ele contou-me sua história até então:

"Olha, senhor, nasci sob alto risco, ficando por dias rodeado de cachorros e gatos de rua. Fui abandonado pela genitora com semanas de vida e com poucos meses fui colocado à prova com uma pneumonia dupla. Plantada essa rosa tive todas as doenças infantis posteriormente. Uma roseira se fez! Na dureza do dia-a-dia fui aprendendo com o que ouvia e, principalmente, sentia, daqueles que rodeavam-me. Após alguns anos fui submetido à uma cirurgia. Recuperação um pouco conturbada, todavia mais uma rosa plantada. Sem deixar-me abater e sorrindo sempre, consegui chegar ao último ano da etapa chamada colégio. No meio do ano, uma apendicite supurada ocasionando abscesso de parede posterior poderia fazer-me desistir. Entretanto, este termo não consta no meu dicionário de vida. Outra rosa, após meses, fora plantada. Segui em frente. Aprovado no vestibular em curso escolhido apenas para ver nascer o sorriso daquela que criou-me juntamente com meu pai, novamente o destino insistiu em fazer-me desistir, levando-a a poucos meses da formatura após cinco anos de faculdade. Ainda sim, jamais desisti do que sempre me fez afirmar que sou feliz...simplesmente ajudar aos outros com o pouco que aprendi e possuo, desejando ajudar muito mais, ainda que insistam em dizer, dia após dia, que não será possível e que o dinheiro é tudo na vida. Mas, por quê essa dúvida? Quem é você?"

Impressionado, resolvi fazer mais uma pergunta antes de responder a essas que ele havia me feito:

- "Mas por quê a cada superação você diz que plantou uma rosa?"

- "É simples. Cada vez que deixamos a tristeza aproximar-se estamos perdendo a possibilidade de fazer um sorriso nascer no rosto de alguém e o valor de um sorriso sincero é inestimável. Por mais que eu sofra por dentro, por mais que seja doloroso, sempre terei um sorriso e uma palavra de força e coragem para ofertar, além de fazer o máximo para ajudar. A rosa, como símbolo de afeição, delicadeza e beleza ocasiona imensa alegria e um estado de espírito maravilhoso. O senhor já ofertou uma rosa a alguém hoje?"

Sem jeito, respondi as suas questões anteriores:

- "Não importa mais a razão da dúvida. Antigamente eu atendia por Ganância, mas a partir de hoje pode me chamar de Rosa.

(Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta)



"Solidão é aquilo que se sente quando não se crê mais em Deus e em si mesmo."
(Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta)

 
Carregando