Poesias e Mensagens Virtuais

Mensagens de Edvaldo

Saudades...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor

Saudades...
Edvaldo Rosa
(16/01/2013 - www.sacpaixao.net)

Dizem que o passado inexiste!
Que o que passou, passou!
O que é isto que mora dentro de mim?
Diante de olhos arregalados, vejo tudo claramente,
Sinto o cheiro cheio de frescor,
E em minha boca sabor!
Como posso tocar quem já passou,
Sentir-me abraçado e abraçar,
Se tudo são ilusão e desvario,
Como dizem aqueles que não vivem o meu amor?
Mas o que é isto dentro da gente?
Que trazemos uma mesma emoção,
Num mesmo doce olhar?
 

Almas nuas...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor

Almas nuas...
Edvaldo Rosa
(06/02/2013 - www.sacpaixao.net)

Olha com calma os olhos alheios,
verás que escondem vontades e anseios,
que talvez até tenham medo de se revelar!
Olha por detrás das aparências, nos vãos e desvios...
Verás com certeza, que quem te olha bem poderia,
ser o teu reflexo num espelho!
Olha com calma e sem medo...
Olha com olhos amorosos, com carinho e respeito!
Por detrás dos olhos que te entreolham,
está uma alma como a tua...
-Talvez nua, talvez crua, talvez muda,
qual dum bicho preso!
Esperando quem sabe, entre as idas e vindas no tempo,
por alguém que a entenda!

O amor da gente...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
O amor da gente...
Edvaldo Rosa

Tenho pensado no amor da gente,
Em como ele esta atrelado ás coisas...
- Ligado intimamente, ulterinamente,
E não apenas em nós!
- Em nossos corpos, nossos beijos... Nossos desejos em fim!
Tenho sentido certa distância,
Certa ausência, reticências nas falas, um esquivar de olhar!
Sinto que o que antes amávamos,
De tantas idas e vindas nem bem queremos...
Que o que nós falávamos,
Hoje são murmúrios secos...
E até o futuro que ambos embevecidos olhávamos,
Hoje mais parece miragens sem tempo...
Será que mudamos tanto assim e nem percebemos?

Mas, até quando?

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
 Mas, até quando?
Edvaldo Rosa

Pensei que tinha forças em meu coração,
Para suportar a dor de uma paixão...
Mas não... Sofro e choro, empalideço...
Volto sempre ao começo, onde tudo era apenas ilusão!
Revivo todos os passos do caminho,
De nenhum ao menos eu esqueço,
Sinto ainda a dor de cada tropeço,
A raiva, de cada queda, e para reerguer-me o esforço!
-Sempre tão imenso!
Tem horas que até penso; que não amo...
Ou que este amor é mais pequeno do que imenso...

Retrocedo...

Amar não é coisa só de um: Carece de duas almas,
Dois corações, unidos num só sentimento!

Recomeço...

- Mas, até quando?

O homem básico

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Reflexão
 O homem básico
Edvaldo Rosa

Numa das muitas discussões familiares, num tom mais de conversa do que de briga, minha esposa disse-me: - Gostaria que você fosse um homem básico!
Tentei entender-lhe o sentido da frase, questionando o que seria um homem básico...
Seus argumentos foram os de que eu aos 50 anos enveredo-me por novos caminhos, procurando por novas oportunidades na vida, ora trabalhando, ora estudando, e pouco fico em casa ao seu lado... Assim, penso eu, um homem básico seria aquele que se assenta, aquieta-se, e vai curtindo mais a vida ao lado da esposa...
Sei, sinto, que um relacionamento a dois é complicado, onde tenta-se equilibrar  vontades por vezes conflitantes, expectativas de vida diferentes... E onde um consenso é por vários motivos uma benção, uma dádiva!
Vim de um tempo onde o homem era o provedor da casa, e por desempenhar tal papel não raro se privava de um contato mais próximo aos seus, que não significava falta de amor e carinho, mas comprometimento, responsabilidade...  Sei também que os tempos mudaram...
Mas sinto que esta mudança não foi em nada favorável ao homem... Existe uma grave crise de identidade, onde os papéis femininos se realçam e os masculinos parecem que esmaecem... E os dois ora se confundem, ora se descaracterizam!
Por outro lado, na sociedade em que vivemos ninguém pode se acomodar, achando que o que sabe é suficiente... E que suas competências nunca serão questionadas... E aqui encontramos um ponto que deveria ser bem observado; a inter-relação entre o social e o privado se confundem, o trato familiar e expectativas profissionais se conflitam...
Não ser um homem básico em meu pensar, afasta-me da mesmice de vidas contemporâneas, de homens por vezes fadados a comodismos, vendo a vida passar, escorrendo entre seus dedos, sem fazerem alguma diferença... Diferença esta, que nem seja para outros verem, mas mais importante, seja intimamente sentida, que traga felicidade e prazer, por mais que sejam; a felicidade e o prazer, efemérides...
Num outro modo de ver, não ser um homem básico, possibilitou-me a realização de sonhos que nem mesmo em minha mais tenra idade ousará imaginar...
Reinventei-me várias vezes!
Como uma Fênix surgida de suas próprias cinzas...
E isso foi bom!
E isso sempre será bom, até o momento em que os ventos da vida não soprarem as minhas cinzas para o outro lado de lá... E assim, não possam se reagrupar aqui neste hemisfério conhecido da existência!
Mas afora estas considerações que faço, imputo-me ainda características bem básicas, talvez mal percebidas pela minha companheira de vida e de estrada; somos casados, um homem e uma mulher em comunhão, conseguimos ter nossos cinco filhos homens, trabalhando, cuidando com suas próprias forças de suas vidas, alguns com esposas, e filhos... Temos um teto, comida na mesa, e algumas vezes saímos de casa, eu e ela, para um passeio... Tirando alguma conotação de conservadorismo em meu pensar, embora conservar o que é bom não traga nenhum mal, não sou um homem básico?
Para a paixão o estar perto é fundamental...
Mas de que adianta um estar que no intimo se ausenta, se aliena, não se valoriza, não busca para si uma realização maior, que de alguma forma traga bem estar para outros, e que implique em melhor valorizar quem esta ao seu lado, numa mesma estrada, num, quase, mesmo destino?
Para o amor, significar presença, em vários aspectos, é amar!

Saudades...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Saudade
Saudades...
Edvaldo Rosa

Meu coração se aperta, entre dedos fortes...
Meu coração se entristece...
Só não verte lágrimas, pois seus olhos estão distantes!
Veem aqueles que ficaram parados na estrada,
Imóveis figuras que a distância teima em desvanecer...
Quantas saudades sinto aqui comigo!
Meus filhos, onde estão vocês?
Nunca antes me senti assim tão sozinho!
Nunca antes tinha me perguntado,
Se meus passos não estavam equivocados,
Como agora faço, estando longe de vocês!
E a vida é um pouco assim...
Encontros e desencontros!
Só, que eu sinto que não estou pronto,
Para viver longe de vocês!

Sensação de medo e excitação...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Sensação de medo e excitação...
Edvaldo Rosa

Enquanto minhas mãos passeavam pelo corpo teu,
Senti novamente aquela primeira emoção,
Aquela sensação de medo e excitação!
E enquanto olhei teus olhos fitando-me,
Sorridentes e em festa,
Calei o som que queria desprender-se de minha boca,
Para ouvir aquele que vinha de meu coração...
Olhei a nossa volta,
As roupas largadas ao redor da cama,
Na mesinha, duas taças,
E em uma delas enciumei d’uma marca vermelha,
Deixada pela tua boca...
Uma nesga de luz flertava teus cabelos, por uma fresta na janela...
Pensei outra vez em nós!
E enquanto te beijava, sem pressa, a tez de tua testa,
Novamente tive certeza, do que é ser feliz...
Entendi mais dos mistérios do amor!

Olhar fixo no espaço

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Natureza
Olhar fixo no espaço
Edvaldo Rosa

Meu olhar fixo no espaço,
Apreende cores...
E entre movimentos vários, rápidos,
Captura um pássaro,
E dentre penas, descortina beija-flores...
Fixo olhar num alvo móvel,
Embebedo-me com diversos sabores...
Ver o pássaro é ver as suas flores,
Com quem faz amor, de quem sorve néctares doces...
Vejo a vida livre e solta... Leve a levitar...
Queria tanto ser como o pássaro! Ser o pássaro!
Que minha vida tivesse em si tantas cores!
Queria que meus olhos olhassem a vida como os dele...
Mas só o que posso é vê-lo distanciando-se...
Deixando em mim, impressa nas memórias
O bater de suas asas multicores!

Continue me amando...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Continue me amando...
Edvaldo Rosa

Continue me amando...
E plantando com as tuas palavras a minha vida...
Eu certamente colherei maravilhado
Os diferentes sentidos delas...
As tuas palavras escritas com amor
Em meu coração,
Em minha alma,
Trazem-me serenidade e calma,
Fazem-me feliz!
Continue me amando,
E plantando com as tuas palavras a nossa vida...
Os frutos de nosso amor, certamente colherão maravilhados,
Nos diferentes sentidos delas,
A essência do que é viver amando e ser amado!
Continue me amando...
Meu grande e lindo amor!

Desejo amor...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Desejo amor...
Edvaldo Rosa

Pouco me importa a hora,
Nada importa lá fora...
O tudo é agora, é você...
Que com os braços me retém,
E com abraços me aprisiona...
Que com o corpo me devora!
Eu que sei o preço que pago, na solidão,
Sei o que sinto quando estou contigo...
Aprisionada em tuas mãos...
Languidamente sob teu corpo, largada...
Sendo devorada... Por tua fome feroz!
Pouco ou nada me importa a hora,
Nada me importa lá de fora,
O tudo é o agora, é você que prendo com as mãos...
Que retenho em meus pecados,
Donde tira bocados,
Para saciar tua fome atroz!
Estamos sós e nada mais importa agora...
Só eu sei o preço que pago, quando vago na solidão!
Sei o que sinto quando estou contigo,
Mordiscando tuas orelhas,
Murmurando em teus ouvidos:
Ama-me um pouco mais, agora!
Antes de ir embora,
Antes de deixar-me outra vez tão só!
 

O vento... 7

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
   O vento...
Edvaldo Rosa

Tenho um companheiro muito amigo,
Fica espreitando a vida comigo,
Parado ao meu lado, um tanto eufórico,
Seguindo-me quando pelos caminhos eu sigo...
Tem um temperamento próprio,
Mas sempre se adapta ao meu...
É tanto meu amigo,
Que geme tanto quanto eu,
Que canta, quando canta a alma minha...
Abraça-me, me enlaça, com os braços seus...
Às vezes me agita,
Como a mostrar-me que a vida,
Não é bem como penso, como sinto, como vejo...
Em seu temperamento um tanto bravio, outro tanto amigo,
Mostra-me que estou bem vivo!
Ele, o vento, tão meu amigo,
Ciente dos sentimentos meus,
Chora comigo, as saudades tuas...
Sorri, comigo, com as lembranças nossas...
E para que eu não morresse de tristezas e de mágoas,
Levou para bem longe, distante de mim agora,
As duras palavras tuas,
De adeus...

Minha estrada...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Pessoa
Minha estrada...
Edvaldo Rosa


Tenho o ponto de entrada, nesta estrada
Gravado dentro de mim...
O ponto de saída se esconde de mim,
Como o resto de minha vida...
Que não mostra seu fim!
Minha estrada tem tantas curvas,
Tantos atalhos, trilhados e não trilhados...
Pousadas para descanso,
Outras nem bem assim...
Minha estrada se mostra aos poucos!
São momentos loucos,
E outros não tanto assim...
Minha estrada é feita passo a passo,
É um tanto de espaço,
E outro tanto, nem tanto assim...
Minha estrada é concreta e são sonhos...
É o que trago em meu ser,
E o que a vida traz para mim...
Minha estrada é um caminho,
É um ninho,
É um ponto, porto seguro...
Minha estrada é um caminho,
Um labirinto onde perdido,
Vou procurando por mim...

Estrada, trágica, risível

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Pessoa
Estrada, trágica, risível
Edvaldo Rosa



Ponto de entrada na vida,

sem ponto de saída visível...

Minha estrada é minha história,

- trágica, risível!

Apertado coração...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Apertado coração...
Edvaldo Rosa


Meu coração se aperta,
Com a força dos dedos de tua mão...
Onde as caricias, delas?
Onde, a maciez e a doçura?
Aperta-se o meu coração,
Com as tuas palavras ásperas...
Com o tom frio em todas elas...
Antecedendo uma solidão!
Anseios e angústias,
Medos que me apavoram...
Horas que mal passam de tão lentas!
Olhos presos nas portas,
À tua espera!
Meu coração se aperta e seca...
Quase nem percebo nele, alguma emoção!
Passo horas que mal passam de tão lentas,
Olhos distanciando-se das portas,
Desconsolados pela tua volta,
Que já de tão atrasada,
É uma esperança natimorta!
   

Um beijo apenas...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Um beijo apenas...
Edvaldo Rosa

Quero apenas um beijo!
Quero apenas, tocar os teus lábios...
Quero que os meus lábios sejam teus,
Inteiramente, somente, teus!
Quero um beijo apenas,
Um beijo, daquele jeito, todo teu!
Daquele jeito meigo de beijar...
Daquele jeito suave de acariciar...
Daquela maneira gostosa de me reter,
Daquela maneira, tão tua, de se dar!
Um beijo apenas,
Eu quero agora!
Antes que se esvaiam as horas,
E eu deixe de contigo sonhar!

Nós nos queremos... não queremos?

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Nós nos queremos... não queremos?
Edvaldo Rosa
 

Do jeito que estamos,

não adianta apontar nossos enganos,

nem desfiar nossos rosários de lamentações...

De tão machucados que estamos,

com tantas feridas abertas, matando,

o pouco que resta de nosso amor...

Do jeito que vamos,

até o som nas palavras nos maltrata,

não são as palavras certas

e nem retrata o que vivemos...

São tão frias e inexatas!

Do jeito que estamos,

até o silêncio nos fere!

Interfere em nossos sentidos...

Deixar que o tempo cure nossas feridas,

ansiamos e tememos...

Nem sabemos se há tempo suficiente,

para salvar o amor da gente,

da forma que queremos...

E nós queremos!

Não queremos?

Dia nacional da consciência negra... Consciência tem cor?

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Reflexão
Dia nacional da consciência negra... Consciência tem cor?
Edvaldo Rosa
 

As palavras tem um encanto e um perigo inerentes a si, que quando mal usadas pode mais ferir do que apaziguar dores e mazelas. Pode mais segregar do que unir!

Digo isso por considerar que quando nomeamos estamos definindo partes de um todo, e nesse processo esquecemos que o todo se compõe também daquela parte nomeada, tornada até que independente do todo.

Mesmo assim, vamos classificando, nomeando, individualizando as coisas, pensamentos, sentimentos, etc.

Por outro lado quando definimos as coisas, restringimos a sua abrangência e seus efeitos, esquecidos talvez das consequências que isso pode acarretar...

No dia de hoje se comemora o Dia da Consciência Negra, mas com o perdão da palavra, consciências tem cor?

Nestes termos estamos restringindo de forma imprópria e imprecisa um acontecimento importante e de consequências vitais para milhares de pessoas, nossos irmãos de estrada, de jornada neste plano de existência, que vivem ao mesmo tempo que nós mesmos uma mesma oportunidade de vida.

Acredito firmemente que cada ser humano deve sim fazer valer as suas convicções e pensamentos, mas dai criar grupos e guetos é uma outra coisa.

As pessoas negras, por uma presença maior de certos pigmentos na pele, não são diferentes das que tem uma cutis mais clara.

Os que diferem as pessoas são os pensamentos que formulam, as atitudes que tomam, as posições na vida que com esforço se fazem valer.

As consciências em meu entender, são um atributo das almas, da psique, mas não lhe são atribuidas cores, matizes...

Assim, creio haver apenas a consciência humana!

E neste ponto, importante, crucial, pergunto; O que estamos fazendo conscientemente ou não com as nossas vidas?

Estamos em plena era de conhecimento vasto, amplo, divulgado aos quatro ventos, e através dos avanços tecnológicos presente instantaneamente no mundo inteiro e mesmo assim estamos divididos...

Somos grupos que se fecham em si mesmos, buscando uma certa representatividade mas ainda como gueto, como grupo fechado, quase isolado.

A problemática levantada como bandeira dos movimentos de consciência negra, são problemas que dizem respeito a todos.

De um lado são problemas causados pela parcela não negra aos negros, com a conivência ou não destes. Da mesma forma os problemas que envolvem outras parcelas da sociedade humana, digo parcelas, por serem uma parte do todo, mas não por querer distânciá-las do todo.

Assim, penso que o que temos mesmo é de derrubar as barreiras que ainda separam as pessoas, e estas barreiras estão enraizadas nas almas humanas.

Seja por força de uma formação educacional deficiente, seja por qual razão for.

Sei que surgirão argumentos a favor ou contra o que aqui exponho, um direito de todo leitor de minhas letras, um dever sobretudo de meus leitores ativos, uma possibilidade que deixo em aberto para leitores passivos, que devido a sua passividade nem se manisfestarão, mas o importante é debatermos, trocarmos idéias, buscarmos soluções que contemplem ao maior número de interessados...

Aqueles que sofrem algum tipo de violência, discriminação, preconceito, etc, são vitimas de algozes, que só se distinguem deles pela atitude e belicosidade, por seus instintos e pensamentos involuidos...

Tanto algozes quanto as suas vitimas são seres humanos!

São irmãos que se fragelam!

São consciências que se se conflitam... Consciências humanas, cegas, iradas, revoltadas, confusas, mal educadas, mal formadas...

Consciências não tem cor!

A alma humana se instala neste ou naquele corpo por um propósito divino, que cabe a cada um tentar desvendar qual é.

Avento a possibilidade de ser o da busca da iqualdade! Da totalidade! Da completude!

Que um dia exista o dia da Consciência Humana!

Por ora vou me contentando com a luta de meus irmãos na busca de visibilidade para a sua importante participação na construção de nosso pais, numa visão mais ampla, e da sua importância como criatura de Deus, numa visão mais individual e não restrita.

Desejo que sejamos todos uma expressão de amor de Deus e não de discórdias!

Nós não negros, nós " consciências brancas " somos tão responsáveis quanto os de " consciências negras " pelos caminhos e descaminhos por que se vão as vidas de todos os nossos irmãos de estrada, de tempo, de oportunidade de vida, neste planeta, neste momento, neste momento histórico.

 

Palavras de amor... 4

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Palavras de amor...
Edvaldo Rosa

Escolho as palavras,
para falar de meus sentimentos,
palavras colhidas como flor...
Lindas palavras, com perfume e cor,
delicadas, palavras, cheias de desejos...
Procuro em mim o melhor tom,
para expressá-las,
para que cheguem a teus ouvidos,
com calma,
e em teu coração, com a força das águas,
fazendo com tu'alma a arrebentação!
Procuro a medida exata das palavras,
para que leias nelas,
tudo o que minh'alma trespassa!
O que põe a minha respiração, no ar, suspensa...
Tudo o que faço, é por sentimento e crença
que um bom pedir,
faz um bom dar!
É isso é tudo o que desejo
e a minha esperança!
  

Pensando sobre o dia do poeta, um dia depois...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Comemorativa
 Pensando sobre o dia do poeta, um dia depois...

Edvaldo Rosa

Preocupo-me com a mania de dar definições, datar começo e fim para as coisas, como se elas não tivessem vida própria e uma maneira única de ser...
Convenções são coisas humanas, mas nem por isso me conformo com elas!
Assim penso sobre o dia dos poetas, como se estes seres “especiais”, cheios de talentos e mistérios, fossem uns poucos e não estivessem dispersos sobre todos os cantos e recantos do globo terrestre.
Comemorei ontem, o dia dos poetas, procurando um poema, um verso que fosse para homenagear a tantos e todos que pusessem os olhos em meu escrito...
Dormi e acordei inquieto!
A poesia é um atributo da vida e esta impregnada em tudo o que vive!
O poeta é o arquiteto que molda materiais e matérias, através das palavras, numa linguagem própria, ás vezes culta, outras vezes nem tão cultas.
O poeta é um ser que consegue com sua imaginação dar um corpo e uma roupagem para a poesia, imaterial e sensorial, que tem suas origens em um pensamento e um sentimento, que é ao mesmo tempo pessoal e universal.
É uma fantasia pensar que a poesia é um produto único de nossos esforços mentais, intelectuais e uma expressão de nossos sentimentos pessoais.
A poesia é um conjunto de vários elementos, que filtrados por nossos sentidos, vão tomando forma com o trabalho de nossas penas, de nosso ordenamento das teclas do computador.
Somos os poetas, seres colhidos, dentre muitos, pelo gosto pelas palavras, pela estética nas construções feitas com elas, mas não somos menos ou mais que aqueles que não apresentam esta inclinação.
Pois eu acredito piamente que a poesia é um elemento vivo, dinâmico, presente em nossas realidades concretas e nas psicológicas, mentais, espirituais...
O que define para mim um poeta é o seu preparo para colocar no papel de forma ordenada, estética, única os seus pensamentos e sentimentos, que lhe acorre ora pelo que chamamos de inspiração, ora por um trabalho de observação acurado, ora por uma atenção atenta a tudo que o cerca.
A poesia esta em tudo!
Na felicidade e nos infortúnios, na bonança e nas tragédias, na vida que nasce, na que finda!
Fico esperando acordar um dia e notar que todos dão uma atenção mais profunda a tudo o que existe em sua volta, e que interfere em suas vidas...
Se estas pessoas tiverem um preparo melhor, vão ser ótimos poetas...
Se estas pessoas não tiverem este tal preparo, ainda assim teremos poesias, inacabadas, mal formuladas, mas ainda assim poesias...
É claro que nem todas as pessoas têm inclinação para matérias de humanidades, especificamente para a área de letras, mas mesmo assim, são e sempre serão, poetas em potencial.
O dia do poeta é todo dia!
Pois a poesia não escolhe dia nem hora para mostrar-se, esperando apenas que uma mente atenta, que sentimentos acurados a colha e a coloque á mostra.
Costumo notar que ás vezes, as poesias mais belas, são aquelas que eu não escrevi, as quais eu nem tinha como notar a presença imaterial em mim...
E estão implícitas num ato, num olhar, numa fala, num acontecimento dos quais fui apenas um observador...
E ao expô-la no papel, apenas reporto a outro o que foi observado e sentido, se ao fazê-lo o fiz com perícia, ai sim pude mostrar um pouco de talento.
Se ao fazê-lo, o fiz de forma que não esteja a contento, fica patente a minha imperícia com o trato com as palavras, mas a poesia esta não muda em nada, existe ainda assim... Imaterial e pura, á espera que outro a colha em sua plena forma!
A poesia paira sobre os homens como um perfume que evola no ar, basta apenas os seus sentidos percebê-la!
Quantos são poetas e poetisas sem ao menos saber!
Feliz dia para todos eles e elas, feliz todo dia do poeta para todos nós!

A tua espera, meu amor...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
 A tua espera, meu amor...
Edvaldo Rosa


A música vem lenta,

levantar como brisa,

as folhas rotas,

dos caminhos de minha vida!

A cada acorde,

acorda uma lembrança minha!

Que de tão guardada,

pensava estar esquecida!

A música, evocando no ar,

traz o teu perfume embriagador,

a sensação de tua pele macia...

O gosto de fruta, de teus lábios carmins...

Estamos sós, eu e a música!

Mas você também esta aqui!

Tão impregnada em mim,

tão dentro de mim,

que pareço estar só!

E a lentidão da música,

se contrapõe as minhas sensações...

Coração acelerado,

mãos trêmulas,

voz embargando...

Estamos eu e a nossa música te esperando!

Não tarde! Meu amor, não se demore!

Não nos deixe assim, tão sós...

Tão dependentes de ti,

que dá sentido e completude a nós...

O teu amor transformou o meu coração...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
O teu amor transformou o meu coração...
Edvaldo Rosa



Agora, com o passar das horas,

eu me dou conta de nós...

Enquanto eu choro,

sinto a dureza em meu peito indo embora,

de um jeito tão estranho...

Pensando em ti, eu noto,

a diferença que faz a tua existência em mim...

E um sorriso se esboça em meus lábios!

Meu coração já não é mais o mesmo,

tão frio, tão duro, se transforma!

Agora, com o passar das horas,

aquecido por teu amor, é quase um filete d'água em ebulição...

Um fluido ardente...

Uma profunda emoção!

Penso no tempo perdido,

entre os descaminhos, de minha vida!

E agora, nesta hora, dou-me conta de estar viva,

e de tanto te amar,

meu coração se revigora,

e a dureza, gélida da solidão então sentida,

se desfaz ante o sol que é você em minha vida!

Agora, com o passar das horas,

eu só quero ser tua! Ser tua!

e nada mais me importa agora!

Carta aberta à todos

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Agradecimento
Carta aberta à todos
Edvaldo Rosa

Existem momentos que temos muitas dúvidas quanto ao rumo que nossas vidas vem tomando, e o nosso coração se angustia e se oprime.

É nessa hora, em que choramos, condoidos pela dor, que pensamos que só a nós mesmos, possa interessar...

A dor não é uma coisa que só quem sente, pode definir?

E tem vezes, que nem quem sente uma profunda dor, aguda dor, tem condições de defini-la!

É num momento desse que podemos cair no erro de menosprezar as forças envolvidas no viver.

Mas existem momentos de uma alegria imensa, intensa, da qual suspeitamos não sermos merecedores.

Mas tanto em um caso quanto no outro, o que nos dá mais alento é a troca que possamos fazer com os amigos, que são os irmãos que nossas almas escolheram nesta existência, presente, na vida terrestre.

E quando escrevemos, não estamos nos desnudando, nos expondo ao olhar de nossos leitores, que colhem um pouco de nós em sua leitura atenta?

Assim, penso comigo, quanto alento não tenho recebido, tanto em meus piores quanto nos meus melhores momentos, vindos dos amigos da internet.

Pessoas fisicamente desconhecidas, mas que tem em meu coração e alma, plenamente estabelecida a sua presença, amável, amiga.

E nestes anos todos, participando da internet, quantas não foram as palavras incentivadoras, quantas não me alertaram quanto a erros cometidos, quantas não me redirecionam o meu pensamento e sentimento criativo, com a sua sensibilidade e carinho?

Refuto portanto, a quem quer que chegue a mim, com palavras desprestigiosas ás pessoas envolvidas nesta esfera de conhecimento e troca de sentimentos, pensamentos, vivências em que se transformou a internet.

Casos particulares, de mal uso deste instrumento de comunicação, por serem poucos, mas infelizmente não escassos, devem ser tratados em particular, embora não devam deixar de serem postos á mostra, para que todos saibam quem é a fruta pobre em nosso cesto.

Eu mesmo assim não digo podre, pois não cabe a mim um juízo dessa monta, dada a minha própria humanidade, e mesmo o errado pode ainda encontrar os caminhos certos na vida.

E agora, em meu presente momento de vida, venho tecer estes comentários, devido a alegria que sinto e que é multiplicada pelos amigos da net, que lendo meus textos sentiram em seu intimo a vontade de comentá-los.

Não pensem os meus leitores mais antigos que esta carta vem em um momento tardio, pois penso que o melhor momento para agradecer é aquele em que ele se manifesta.

E agora, com mais maturidade e vivência dentro deste universo tão cheio de virtualismos, consigo vivenciar os benefícios que esta comunhão oferece e favorece.

Esqueçamos de sofrer...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Reflexão
Esqueçamos de sofrer...
Edvaldo Rosa

Quando pensamos que tudo fenece,

a gente se esquece,

que tudo se refaz...

O mesmo tempo

que leva de nós o nosso melhor,

é o mesmo tempo que o traz!

A brisa que sopra durante o dia,

é a mesma semente da ventania...

E da tempestade de logo mais!

Quando já não queremos viver,

com medo das dores, de sofrer,

nos esquecemos dos sorrisos,

que se escondem por trás de lábios indecisos...

Que se fechando, agonizam!

Porque não nos esquecemos dos medos?

Das vaidades?

Dos egoísmos?

Porque não nos esquecemos de sofrer?

E de fazermos outros padecer,

o que padecemos por esquecimento,

ou alheamento do próprio juízo?
 

Minhas emoções...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Minhas emoções...
Edvaldo Rosa

Tem vezes que minhas emoções,

nem são minhas...

Tomam as rédeas de minha vida,

como se eu fosse uma criança

sendo levada pelas mãos...

Tem horas que as emoções por mim sentidas,

são mais fortes do que as forças de dentro de mim...

Expressam-se com tanta gana,

que me espantam e surpreendem!

Demonstram um amor insano,

uma raiva louca!

Do medo sentem uma influência tão pouca,

que parecem nem o sentir!

As minhas emoções são tão feias e tão lindas,

que nem me parecem pertencer!

As minhas emoções abrem e fecham

as portas de minha vida...

Resta-me apenas saber sentir,

para saber bem viver!

Mensagem de Páscoa

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Reflexão
Mensagem de Páscoa
Edvaldo Rosa

É Páscoa, é hora de renovação!

Que a luz de Deus esteja contigo e todos os teus, esteja com todos ao teu redor!

É hora, agora, urgentíssima, de termos uma nova consciência a respeito de nós mesmos, para sob o amor de Deus fazermos o nosso melhor. Fazermos do nosso melhor o norte para todos os nossos passos, em todos os espaços de nossas vidas... Nos espaços físicos onde tudo acontece e nos espaços mental, sentimental, onde tudo germina e de onde tudo se faz!

A Páscoa é um momento de renovação, de libertação!

E o quanto precisamos nos renovar!

E quanto carecemos nos libertar!

A vida é uma Páscoa constante, pois no decorrer da vida quanto não nos renovamos, até morrer... Renovance células, pensamentos, sentimentos, atitudes!

Quanto á liberdade, esta depende do que nos aprisiona!

Sejam humores, rancores, pessimismos, pessoas que não nos querem felizes, que não entendem os nossos pensamentos, os nossos sentimentos...

Sejam as nossas crenças arraigadas bem no fundo de nós!

Só nós sabemos o que e o quanto nos aprisionam.

Mesmo quando não temos claro na mente o que nos aprisiona, temos um indicio em nossas almas!

Esta libertação da Páscoa, pode ser sim, uma libertação para a nossa consciência intima sobre as coisas de nossa vida. Em nossa vida!

Esta mensagem, que lhe envio, é um desejo claro, para que você se encontre com o melhor de si mesmo, e se for o seu caso, que haja um reencontro consigo mesmo.

Pois a Páscoa é isso!

Eu creio que é isso!

Eu desejo que assim seja!

Desejo-lhe assim, a mais linda Páscoa para ti e todos os teus!

Que a luz de Deus esteja em tua vida e em teus caminhos, os físicos e os mentais!

Com um abraço fraterno.

Teu cheiro... 1

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Teu cheiro...
Edvaldo Rosa


Sinto um perfume envolver-me inteiro...

Um cheiro de terra molhada,

de verde relva,

de campos multi-coloridos após a florada...

Sinto um aroma de vinho curtido pelo tempo!

Um tempo que condensou suas melhores qualidades...

Sinto na brisa um cheiro fresco

de nova madrugada...

Sinto na pele teu cheiro colado,

prova de nosso amor sob a noite estrelada!

Sinto...

Teu cheiro...

Teu gosto...

Em meu corpo e em minha alma!

Estou louco!

Louco pelo teu cheiro que me embriaga!

Cheiro de amor...

Da ternura manifestada!

De calor...

Devo estar louco...

O que sinto não tem cheiro...

Mas é o que sinto, no teu cheiro...

Que paira neste momento,

envolvendo-me inteiro...

Que meu corpo e minha alma inala!

-Memórias do meu corpo...

Que em meu corpo não se apaga!

Recomeço...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Recomeço...
Edvaldo Rosa

Recomeço de novo o caminhar...

Pés descalços,

em desalinho,

a encaminhar-me a teus braços,

ao espaço mais próximo

de seu coração!

Volto minha boca aos teus lábios...

Minha língua enrosco em tua língua,

emudecendo tuas palavras...

Transformando-as em murmúrios loucos...

Volto, pouco a pouco a dar-te meus carinhos!

A entregar-te todo o meu corpo,

minha alma até!

Volto a dar-te fé...

Volto a soltar as grades do cárcere da solidão...

Volto a caminhar descalço,

pelos caminhos e espaços

que me levam em sua direção!

Volto, embora sinta medo,

a viver o meu tempo junto com o seu!

Você é um recomeço, amor meu!

Você é uma nova esperança,

onde meu coração feito de criança

navega em direção do seu!

Caminhar de novo recomeço,

descalço os pés para sentir melhor o caminho...

Recomeço todo em desalinho...

É muito grande o meu medo,

maior ainda é a minha emoção!

Recomeço como se não houvesse detido o passo...

Pois neste recomeço eu voltei ao inicio!

Procuro em ti mulher...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Procuro em ti mulher...
Edvaldo Rosa


Procuro ávido, louco,

por traz de seus beijos,

além de seus braços,

nos caminhos de seu corpo,

a paz!

Procuro dentro de seu olhar,

no eco de suas palavras,

no ar que respira,

a paz!

Procuro em seus movimentos,

no meneio de seus cabelos,

no vibrar de seus lábios,

no acariciar de seus dedos,

a paz!

Procuro em ti o que me falta!

Aquilo que me completa!

Aquilo que me faz feliz, demais...

Procuro em ti mulher,

que se faz tão minha,

a alegria para a minha vida,

que vibra por ti,

e além...

Você me atrai e me repele...

Com a força da sua luz

com o magnetismo de imãs!

Só poderei ser completo

após os seus retoques...

Você é a contra parte da alma minha...

Que sem você definharia...

Só definharia...

Só!

Nossos olhos apaixonados...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Nossos olhos apaixonados...
Edvaldo Rosa


Olhos embaçados,

por uma emoção viva e forte,

te olham admirados, extasiados,

por teus encantos, pela própria sorte!

Olhar fixo, arregalado,

pelo regalo de tê-la como consorte!

Por tê-la sempre ao meu lado,

uma presença constante!

Olhos que se procuram nos teus olhos...

Olhar que se espelha em teu olhar!

- Visão tão linda... Puro anelo de meus sonhos!

Nosso olhar esta tão envolvido um no outro,

que podemos ver até o que o outro sente!

E antes de nos encontrar no amor,

já temos as certezas do amor no encontro!

Meu coração repousa em tuas mãos...

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Categoria: Amor
Meu coração repousa em tuas mãos...
Edvaldo Rosa

Meu coração repousa em tuas mãos,

depois do amor, saciado!

Repousa meu coração no calor de tuas mãos,

que o envolve com carinho e cuidado!

Extasiado, o meu coração todo largado,

esparrama-se todo em tuas mãos...

Envolvido pelos perfumes

por teu corpo exalados...

Pelas lembranças vivas

dos nossos momentos de amor e pecado!

Meu coração adormece pouco a pouco

dentre os dedos macios de suas mãos...

Ninho onde meu coração se sente protegido e guardado!

Repousa em tuas mãos o coração da minha vida!

Que não vê mais vida,

que não seja estar a teu lado!
Carregando