Poesias e Mensagens Virtuais

De rumo Seara e Canção

Nota 1Nota 2
Nota 3Nota 4
Nota 5Nota 6
Nota 7Nota 8
Nota 9Nota 10
Cantinho:
Categoria: Felicidade

    De rumo Seara e Canção
Bira Anchieta/Ari Pinheiro/Luiz Carlos Ranoff 

Tamanho da fonte
Me fiz cantos dos caminhos
amante de campos e ventos
nesta jornada comprida
segui sorvendo relentos
sem Ter rumo ou pouso certo
com destino indefinido
fiz meu cerne ressequido
na tempra dos desalentos...

Vim da guitarra dos anos
como os antigos caudilhos
trago versos mal trapilhos
que juntei nos corredores
com eles reguei as flores
que sofriam ressequidas
p’ra elas compus canções
como toscas orações
de paz p’ras almas perdidas...

Meu canto tem muito de arado
de terra, sangue, suor,
é o telurismo pampeano
do taura que passa os anos
tentando enganar a dor
na sanga dos desenganos
insiste em lavar os panos
suados de seu labor...

Um dia veio outra gente
impondo cantos estranhos
sem a magia da sanga
que viu meu primeiro banho
não aceitei os ajojos
de quem quis me botar freio
e eu mesmo forjei os meios
de pastorear meu rebanho...

Este canto vem sorrindo
com ares da primavera
florindo antigas taperas
paisagens antes dormentes
galopa e lança sementes
na pampa, sua lavoura
que recebe a semeadura
no coração desta gente.

Carregando